Vídeos

Vídeo: O conhecimento que temos sobre pescarias permite que elas se prolonguem ao longo do tempo? por Bianca Bentes

Várias espécies estão sendo extintas sem sequer sabermos o básico sobre elas. A falta de continuidade das estatísticas pesqueiras fere de morte a conservação deste recurso

Daniele Bragança · Márcio Lázaro ·
17 de junho de 2018 · 6 anos atrás

No Brasil, o conhecimento que temos sobre a pesca é tão deficiente que sequer sabemos quantos pescadores existem, quanto mais o que eles pescam. A falta de continuidade das estatísticas pesqueiras fere de morte o manejo pesqueiro. E sem manejo, não há como fazer uma política de conservação desse recurso.

É o que explica a pesquisadora Bianca Bentes, professora da Universidade Federal do Pará (UFPA) e especialista Ictiologia e em dinâmica de estoques pesqueiros.

“O que se falta é conhecer as espécies, nos seus aspectos básicos, para que tudo possa ser gerido de forma sustentável”, afirma Bentes.

Leia Também

Interação com pesca é uma das maiores ameaças aos botos na Amazônia

“Brasil mal faz o básico para proteger os recursos pesqueiros”, diz Áthila Bertoncini

Ministério da (Sobre)Pesca e do Sumiço das Estatísticas

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

  • Márcio Lázaro

    Jornalista, repórter cinematográfico, editor de vídeo e imagens, mestre em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (UFRJ).

Leia também

Colunas
31 de março de 2015

Ministério da (Sobre)Pesca e do Sumiço das Estatísticas

Cartório de interesses que dominam a pesca industrial no Brasil, ministério comeu os números que mostram o massacre dos peixes.

Reportagens
22 de abril de 2018

“Brasil mal faz o básico para proteger os recursos pesqueiros”, diz Áthila Bertoncini

Oceanógrafo que representou o Brasil no Grupo de Trabalho de Agregações Reprodutivas da FAO critica atraso do país no monitoramento pesqueiro

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. ALEXANDRE KIROVSKY diz:

    O que falta não é só estatística…tem centralidade sim mas, faltam políticas públicas – embasadas – de amplo espectro em toda a cadeia produtiva. Pode-se começar com escalas menores determinados arranjos que envolvem de forma sistêmica em determinadas espécies/frotas – alvo e depois procurar-se escalas maiores…