Análises

Questões sobre o Trem Bala e o Porto Sul

Para que obras bilionárias se as necessidades por transporte público, saneamento básico e moradia são tão gritantes?

Rui Rocha ·
31 de agosto de 2010 · 11 anos atrás
Ilhéus. Foto: Rui Rocha.

A revista Exame de setembro coloca, em título gigantesco: quem precisa do Trem Bala ? A pergunta, aparentemente ingênua, põe o dedo na ferida em um tema tão caro à mídia – as debilidades da infraestrutura brasileira. A revista, conhecida por executivos e empresários, se coloca do lado de Maria dos Anjos, uma empregada doméstica que pega três ônibus para chegar ao trabalho, acordando as 4 horas da manhã, para chegar as 7 horas no bairro do Jardins. No final, o artigo questiona: para que uma obra como o trem bala, ao custo de 40 bilhões de reais, se as necessidades por transporte público, saneamento básico e moradia nas grandes cidades são tão gritantes?

Todos os dias lemos matérias na imprensa questionando a falta de investimentos em infra-estrutura, com ênfase em logística, no Brasil. Na Bahia, o custo do escoamento de commodities como soja e ferro, prejudicado por falta de ferrovias e portos, está sempre em destaque. De um modo aparentemente sábio, os Governos de Lula, Dilma e Jaques Wagner, os três irmãos de fé desta eleição aqui na Bahia, anunciam que a ferrovia Oeste Leste e o Porto Privativo da BAMIN farão um par perfeito, com investimentos previstos de quase 7,5 bilhões de reais, e ainda vão gerar dezenas de milhares de empregos.

Como o desemprego é um dos maiores problemas do Sul da Bahia, após a queda abrupta da economia cacaueira, a vinte anos atrás, este projeto chegou aqui com uma propaganda agressiva. A BAMIN fez logo amizade com alguns blogueiros e radialistas, patrocinou o time de futebol dos ilheenses, divulgando diariamente na TV Globo baiana que o seu porto vai ampliar os peixes com as suas colunas de concreto no mar… e que por isso os pescadores sairão ganhando com esta obra prima do século XXI.

Ledo engano pensar que o porto da BAMIN e a Ferrovia Oeste Leste são nossas esperanças para a crise de emprego no Sul da Bahia e no semi-árido.

Portos privados são especialmente automatizados, gerando poucos empregos e com perfil diferenciado. Os desempregados do cacau no Sul da Bahia dificilmente trabalharão neste porto. Desfeito este mito, aponta-se uma siderúrgica como a salvação da lavoura, mesmo que esta ainda seja um pré-projeto de concepção indefinida, e também com empregos limitados. Além do mais, as atividades intensivas em emprego, como o cacau e o turismo, carecem de investimentos essenciais, como tecnologia para a produção descentralizada de chocolate, por cooperativas e associações rurais. Ilhéus e Itacaré, dois destinos importantes do turismo baiano, carecem de saneamento básico, aeroporto regional e estradas internas de acesso a destinos naturais, inclusive para a sua população. Com menos da metade dos investimentos do Porto Sul.

Assim como o trem bala, de 40 bilhões de reais, a Ferrovia Oeste Leste com o porto da BAMIN, de 7,5 bilhões, podem até ser importantes para alguns, mas não para Maria dos Anjos, na periferia de São Paulo, nem para Deraldo Rodrigues, mais conhecido como Soró, hoje um simpático pipoqueiro, e nas estatísticas, mais um desempregado na cidade histórica baiana.

As opiniões e informações publicadas na área de colunas de ((o))eco são de responsabilidade de seus autores, e não do site. O espaço dos colunistas de ((o))eco busca garantir um debate diverso sobre conservação ambiental.

 

Leia Também 

Porto Sul I – Biodiversidade ameaçada
Porto Sul II – Desenvolvimento em questão

  • Rui Rocha

    Engenheiro agrônomo e ambientalista, professor da Universidade Estadual de Santa Cruz. Fellow da Ashoka, é membro do Conselho...

Leia também

Reportagens
5 de maio de 2010

Porto Sul II – Desenvolvimento em questão

Com construção de porto em Ilhéus, governo abandona desenvolvimento baseado na economia local e aposta na exploração de matéria prima

Reportagens
30 de abril de 2010

Porto Sul I – Biodiversidade ameaçada

Complexo portuário previsto para a região de Ilhéus coloca em risco a preservação de 1,7 mil hectares de Mata Atlântica

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Aristides Arthur Soffiati Netto diz:

    Devemos creditar aos povos indígenas o pioneirismo na abertura de trilhas que, posteriormente, serão aproveitadas pelos europeus nas chamadas estradas gerais e sua ramificações, como mostra Capistrano de Abreu em “Caminhos antigos e povoamento do Brasil” (1930). Os povos indígenas usavam essas picadas para a prática de uma economia de subsistência bastante robusta. Com os europeus e seus descendentes, a economia de mercado, ainda que precária, produziu desmatamento, ataques à fauna nativa e extermínio de indígenas.


  2. Raphael Albino diz:

    O Eduardo Bueno, do canal Buenas Ideias no Youtube possui um excelente vídeo sobre essa trilha e as aventuras que alguns personagens da nossa história passaram por ela.