Fotografia

“Rios Voadores” chega ao Congresso no Dia Mundial do Meio Ambiente

Abriu hoje exposição sobre projeto que estuda influência das massas de umidade sobre o clima e o risco que correm com o desmatamento.

Redação ((o))eco ·
5 de junho de 2012 · 9 anos atrás

“Antes de ser derrubada, cada grande árvore da Amazônia é capaz de evaporar 300 litros de água por dia”, conta Gérard Moss, um dos idealizadores do projeto Rios Voadores. Essas árvores fazem parte do sofisticado mecanismo que transporta a umidade e gera as chuvas sobre a própria região Amazônica e, mais tarde, sobre as regiões centro-oeste, sudeste e sul do Brasil.

As grandes massas de ar úmido vêm do leste, da África. Trazidas pelos ventos alísios, caminham sobre o Atlântico até ganhar o continente e chegar à floresta amazônica, onde se transformam em chuva. O projeto se chama Rios Voadores porque essas massas funcionam como rios invisíveis transportando uma quantidade de água de 200 mil metros cúbicos por segundo, grandeza equivalente a vazão do rio Amazonas.

A floresta é generosa. Ela recebe as águas mas também as recicla através de suas árvores. A umidade retorna ao ar e, no seu caminho, é comprimida contra a barreira da cordilheira andina a oeste. Esta a obriga a mudar de rumo e viajar para o sul, influenciando o clima e o volume de precipitação até a bacia do rio da Prata.

O desmatamento pode mudar o curso dos rios voadores. À medida que fazendas de soja substituem a floresta amazônica, a corrente de transmissão dos rios voadores se quebra, com impactos difíceis de mensurar sobre o regime de chuvas de grande parte do continente.

O projeto se apoia no trabalho de pesquisadores como Antonio Donato Nobre, um dos idealizadores do projeto, e Eneas Salati, estudioso do fenômeno há 30 anos. Gérard e Margi Moss cruzam o país em pequenos aviões coletando material e documentando o trabalho com belas imagens, como as que os leitores podem apreciar nessa página.

Desde 2007, centenas de amostras de vapor d’água da Amazônia e de outras regiões do país foram coletadas. O acúmulo de dados ajudará na compreensão dessas magníficas e translúcidas massas de água e, também, dos efeitos que o desmatamento acelerado das últimas décadas possa ter sobre elas. É um conhecimento crucial para determinar quando, como e onde chove no Brasil.

Araguaia: jóia ameaçada Guaporé, refúgio amazônico O Juruena que não volta Majestosos rios da Amazonia

Leia também

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Notícias
15 de outubro de 2021

Justiça do México suspendeu revisão da meta climática, apresentada em 2020

Assim como o Brasil, o México revidou a meta para abaixo do estabelecido no Acordo de Paris. Greenpeace questionou na Justiça a nova NDC e ganhou

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta