Notícias

Dono de RPPN sofre

Ele esperou seis anos pela criação da reserva particular e hoje é responsável pela anuência de todo tipo de empreendimento no entorno da área protegida.

Aldem Bourscheit ·
16 de outubro de 2009 · 15 anos atrás
RPPN Maragato em Passo Fundo (RS), cerca de empreendimentos. Foto: Divulgação.

Rogério Guedes amargou seis anos aguardando que o governo federal aprovasse a criação de sua reserva particular do patrimônio natural, em Passo Fundo, norte do Rio Grande do Sul. Batizou os pouco mais de quarenta hectares com “Maragato”, alcunha dos sulistas que iniciaram a Revolução Farroupilha em 1893 contra os desmandos do poder central. Nos últimos dois anos, vem acumulando forças e dinheiro para tentar montar uma pousada. “Em busca da tal sustentabilidade”, explica.

Mas ser dono de reserva particular no Brasil é padecer no paraíso, sem ofensa às mamães de plantão. Graças a “instruções normativas” editadas pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio) e baseadas em uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente de 1990, Guedes é obrigado agora a dar aval para todo e qualquer empreendimento num raio de dez quilõmetros de sua propriedade. “A RPPN é mais respeitada agora, mas sou cobrado pela prefeitura e por empreendedores. Já dei anuência para laticínio, chapeação, depósito de resíduos industriais. É muita responsabilidade”, disse.

Segundo ele, os documentos são enviados pelos empreendedores ao órgão estadual de meio ambiente e ao ICMBio em Florianópolis (SC), responsável pela Região Sul.

Na prática, o órgão federal criou uma espécie de filtro para licenciamentos com base no aval de proprietários ou gestores de áreas protegidas, pois a regra vale para todas. Daí a pressão de setores da indústria, do agronegócio e do próprio governo no Conselho Nacional do Meio Ambiente, pela derrubada das regras que fixam as zonas de amortecimento em unidades de conservação.

Saiba mais:
Zona de amortecimento melada
Sem autorização do gestor

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista brasilo-luxemburguês cobrindo há mais de duas décadas temas como Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Sel...

Leia também

Análises
24 de junho de 2024

É preciso estar atento aos rumos do plástico

Defendemos metas globais de redução da produção de plástico para proteger a saúde humana e ambiental. É urgente considerarmos os riscos que esse material apresenta às populações atuais e do futuro, respeitando os limites dos diferentes ambientes e do planeta

Salada Verde
21 de junho de 2024

Postura de Mauro Mendes faz ICV finalizar parceira em projeto ambiental em MT

Organização cita falta de comprometimento do governador com pautas ambientais no estado. Projeto era voltado ao enfrentamento da crise climática

Notícias
21 de junho de 2024

Queimadas explodem em cinco dos seis biomas brasileiros

Número de focos registrados em grande parte do Brasil nos primeiros meses de 2024 está acima da média para o período. Pantanal segue em situação emergencial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.