Notícias

O estado das cidades no mundo

ONU divulga relatório sobre situação das cidades às vésperas de evento sobre o assunto no RJ. População brasileira em favelas diminuiu. No planeta, 827,6 milhões de pessoas ainda vivem precariamente.

Redação ((o))eco ·
19 de março de 2010 · 12 anos atrás

Relatório divulgado ontem pelo Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) mostra que o número de pessoas vivendo em favelas no Brasil caiu  de 31,5% da população para 26,4%, devido a diversas políticas socioambientais. No mundo, o relatório, intitulado “O estado das cidades do mundo 2010/2011” revela que 227 milhões de pessoas deixaram de viver em assentamentos precários na última década, porém, o numero absoluto de moradores em favelas ainda é alto: 827,6 milhões de pessoas. A África subsaariana é a região que concentra a maior população em moradias precárias. Lá, 61,7% dos habitantes moram neste tipo de habitação. A América Latina e Caribe aparecem cm 23,5% do total. Os dados positivos não são bons só para as pessoas, mas também ao meio ambiente. Na maioria das favelas não há tratamento de água e esgoto e os efluentes são jogados diretamente na natureza, contaminando solos e rios e provocando doenças.

O lançamento no Brasil do relatório da ONU acontece às vésperas do 5º Forum Urbano Mundial, que será realizado na cidade do Rio de Janeiro a partir da próxima segunda-feira. Durante os dias do evento, o Ecocidades fará cobertura especial sobre o assunto.

– World Urban Forum 5

Leia também

Notícias
8 de dezembro de 2021

Prefeitos definirão a faixa de proteção das matas ciliares nas cidades

Câmara rejeita mudanças vindas do Senado e conclui votação do Projeto de Lei que flexibiliza faixas de áreas de proteção permanente nas áreas urbanas

Reportagens
8 de dezembro de 2021

Governo tenta incluir garimpeiros e pecuaristas na lista de comunidades tradicionais

Proposta foi feita por secretaria ligada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, pasta comandada por Damares Alves

Reportagens
8 de dezembro de 2021

Ribeirinhos convertem-se ao ouro e desafiam contaminação por mercúrio no rio Madeira

Estimulados pelo alto lucro e desamparados de políticas que fortaleçam um modo de vida tradicional, ribeirinhos são empurrados para o garimpo; juntos, constroem pequenas balsas de até R$ 50 mil para extrair "fagulhas de ouro" do fundo do rio

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta