Notícias

Aperte o botão de “on”

Qual é a diferença entre um carro a gasolina e um elétrico? Dirigir o elétrico é melhor. O Ecocidades testou e aprovou as tecnologias que chegarão, de preferência, em breve.

Redação ((o))eco ·
7 de junho de 2010 · 11 anos atrás
Debaixo do capô, uma enorme bateria
Debaixo do capô, uma enorme bateria

? Você já dirigiu um carro automático?

? Sim, respondi com o nervosismo gerado por horas de espera e expectativa.

? É a mesma coisa, disse, do banco do carona, Laurent, o técnico da Michelin encarregado de tomar conta do protótipo elétrico e orientar jornalistas que esperavam a vez de experimentá-lo, durante o  Michelin Bibendum. Em seguida, apertou um botão e ligou o carro sem que se notasse qualquer barulho de partida do motor.

Estava diante da minha primeira chance de dirigir um carro elétrico. Cutuquei com cuidado o acelerador e saí da área de boxes. Atrás de uma fila de carros, todos usando alguma tecnologia considerada verde, aguardei com o que me restava de fleuma o sinal para entrar na pista do autódromo de Jacarepaguá, local reservado para as demonstrações do evento. Finalmente, veio a bandeira verde do fiscal e acelerei o pequeno Opel Agila, um carro de rua transformado em protótipo elétrico pela Michelin.

Qualquer previsão sobre o futuro necessita de um pouco de fé e essa, por sua vez, de emoção. Nos dois minutos seguintes, me convenci que os carros elétricos estão chegando. As razões? Lá estava eu testando um deles e descobrindo o prazer que é dirigi-los. De cara, senti a aceleração forte, muito maior do que se pode esperar de um carro desse porte, subtraída apenas do barulho a que estamos acostumados. A marcha é única, contínua. Rapidamente estávamos a 100 km/hora, ainda longe da máxima prevista de 140 Km/hora. No fim da reta, imaginei se o freio reagiria diferente. Fui surpreendido por um excelente freio-motor, que facilitou a redução de velocidade. Nas curvas, o comportamento do carro foi leve e estável. Terminada a volta, fiz a cara mais comovente possível e pedi outra.

? Unfortunately, we have a line, respondeu Laurent com seu forte sotaque francês. Fui obrigado a abandonar o brinquedo, logo após descobrir o quanto era divertido. O consolo é que havia outros para experimentar. Da minha parte, jamais voltaria a entrar em um carro com motor a explosão. Para quê? Não houve qualquer dificuldade de transição ou necessidade de aprender uma técnica nova. Foi sentar e sair dirigindo. As diferenças foram para melhor.

Detalhe do painel espartano
Detalhe do painel espartano

Em seguida, foi a vez de outro protótipo da Michelin movido a hidrogênio. Trata-se também de um carro elétrico, só que, ao invés de bateria, o motor é alimentado por gás de hidrogênio, mantido em um tanque sob pressão de 350 bar localizado embaixo dos assentos (oops!). Isso equivale a uma pressão próxima do dobro da usada em um cilindro de GNV (Gás Natural Veicular), de 200 bar. O carro tem emissão zero de poluentes, pois o resíduo do hidrogênio é vapor d’água.  Dessa vez, não foi possível dirigir. Junto com dois animados estudantes de engenharia, acompanhamos outro técnico da Michelin dar mais uma volta silenciosa e esportiva pelo autódromo.

O cilindro de hidrogênio fica junto à barra de direção
O cilindro de hidrogênio fica junto à barra de direção

Nos intervalos, passeando pelos boxes encontrei mais um veículo movido a hidrogênio. Agora, um kart, projetado por estudantes da universidade de Delft, na Holanda. Eles participam de um grupo que promove “corridas verdes”, pois, defendem, com essa propulsão os karts fazem pouco barulho e não emitem poluentes. O modelo acelera de 0 a 100 km/hora em 5 segundos e atinge uma velocidade máxima de 120 Km/hora. Já existe um campeonato da modalidade na Europa, no qual competem seis equipes universitárias da região, além de três americanas. O ronco dos motores das corridas está a perigo.

É grande, mas bebe moderadamente
É grande, mas bebe moderadamente

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta