Notícias

Estudo defende mais geração nuclear

Agência Internacional de Energia publica relatório afirmando que energia nuclear é “fator-chave” para combate às mudanças climáticas. Greenpeace contesta.

Redação ((o))eco ·
16 de junho de 2010 · 14 anos atrás

A Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) divulgou nesta quarta  (16) um relatório no qual afirma que “a expansão da energia nuclear é um fator chave para combater as alterações climáticas”. Segundo o documento, chamado Nuclear Energy Technology Roadmap, elaborado em conjunto com a Agência de Energia Nuclear da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), até 2050, cerca de um quarto da eletricidade mundial poderia ser gerada através da energia nuclear. Atualmente, esse porcentual não passa dos 14% da eletricidade global.

Para que chegue a esse patamar, a capacidade de geração nuclear deverá mais do que triplicar nos próximos anos. O “mapa do caminho” da IEA defende que a energia nuclear é uma tecnologia madura e de baixo teor de carbono e que já está pronta para ser ampliada nas próximas décadas. “O último protótipo de reator, agora em construção em todo o mundo, foi projetado a partir de mais de 50 anos de desenvolvimento tecnológico”, diz nota da Agência sobre o estudo.

O trabalho também estabelece um plano de ação com os passos que governos e indústrias devem seguir para conseguir maior aceitação do público a este tipo de geração. Entre eles está a criação de planos para eliminação dos resíduos de alto nível radioativo e um sistema internacional de salvaguarda para evitar a proliferação da tecnologia nuclear para outros fins que não a geração de energia.

Para André Amaral, coordenador da campanha nuclear do Greenpeace, será muito difícil que a indústria nuclear consiga essa expansão, por inúmeros fatores, entre eles o custo e tempo de implantação. Atualmente, o custo de uma usina de 1 giga no Brasil é de R$ 12 bilhões, bem mais alto que o de usinas eólicas, por exemplo. Além disso, para sua implantação são necessários, em média, 10 anos, contra dois da usina movida a vento. “Se consideramos que o prazo estabelecido internacionalmente para redução das emissão de CO2 é 2020, o investimento em usinas nucleares seria inócuo, já que não daria nem tempo de ela entrar em funcionamento”, diz.

Além disso, Amaral questiona a real eficácia da energia nuclear como energia “limpa”. Estudos comprovam que, para reduzir apenas 5% das emissões com energia nuclear, seria necessário que a cada 15 dias um novo reator entrasse em funcionamento no mundo. Hoje, a geração nuclear emite de 150 a 400 gramas de CO2 por kW/hora, contra 20 g de CO2, em média, da energia eólica. “O estudo foi feito apenas para “embasar o lobby da indústria nuclear. Defendemos que somente as energias renováveis dão conta do recado”, diz.

O Nuclear Energy Technology Roadmap faz parte de uma série que está sendo elaborada pela IEA, em cooperação com outras organizações e indústrias, para promover o desenvolvimento e a absorção de tecnologias-chave de baixo carbono para alcançar a meta de uma redução de 50% nas emissões de CO2 até 2050. A série foi encomendada por chefes de estado do G8, durante encontro no Japão em 2008. (Cristiane Prizibisczki)

Leia também

Salada Verde
21 de fevereiro de 2024

Exposição de fotografias do Pantanal arrecada recursos para as Brigadas Pantaneiras

A mostra “Água Pantanal Fogo” reúne 80 imagens de Lalo de Almeida e Luciano Candisani . Seis das obras vão à venda para arrecadação de fundos

Reportagens
21 de fevereiro de 2024

Sem a Fundação Zoobotânica, RS completa 10 anos sem divulgar lista de espécies ameaçadas

Sob críticas de ambientalistas e sem interessados, governo do estado insiste na concessão privada das instituições que eram coordenadas pela FZB

Notícias
21 de fevereiro de 2024

MS: lei do Pantanal entra em cena com seca histórica do Rio Paraguai

Normativa restringe atividades produtivas e protege formações naturais buscando associar desenvolvimento e conservação

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.