Análises

Goiânia e Fukushima: Lições (não) aprendidas

Nesta semana, completam-se 25 anos do acidente do Césio 137 em Goiânia, maior acidente radiológico do mundo, que atingiu 6 mil pessoas

Ricardo Baitelo ·
13 de setembro de 2012 · 9 anos atrás
Familiares relembram os 20 anos do acidente do césio-137, em Goiânia, 2007. Foto: Greenpeace Brasil.

Nesta semana, completam-se 25 anos do acidente do Césio 137 em Goiânia, considerado o maior acidente radiológico do mundo. A radiação de uma cápsula de césio abandonada em um ferro velho atingiu mais de 6 mil pessoas e gerou 6 mil toneladas de material radioativo.

Nesta mesma semana, a crise nuclear em Fukushima completa 18 meses. A combinação dos desastres naturais com a falta de segurança dos sistemas de resfriamento do complexo nuclear resultaram no derretimento do núcleo de três reatores e, consequentemente,  no alastramento de radiação por uma área de 13 mil quilômetros quadrados obrigando 146 mil pessoas a se deslocarem.

Até hoje, o governo e as autoridades nucleares falham em reconhecer o número correto de impactados em Goiânia e alterar a fiscalização nuclear no Brasil de forma a impedir que novas fatalidades aconteçam. A gestão do setor continua confusa; a mesma agência governamental exerce as funções díspares de fomento e fiscalização de atividades nucleares.

No início do mandato da Presidenta Dilma, esperava-se que o governo fizesse uma grande reformulação na Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN).  Curiosamente, o pacote de mudanças previamente anunciado acabou sendo adiado em função do acidente de Fukushima e nunca se concretizou.

No Japão, a moral do setor nuclear não anda muito melhor. O Comitê Japonês de Investigação concluiu, em relatório,  que as autoridades foram ineficientes na reação ao acidente nuclear de Fukushima. O estudo  apontou que tanto o operador dos reatores quanto o órgão regulador japonês falharam em oferecer medidas de mitigação adequadas, por excesso de confiança na segurança das usinas nucleares.

No Brasil,  o que se seguiu após o desastre do Césio foi o avanço do projeto atômico, com a inauguração da usina de Angra 2, em 2000, e a retomada das obras de Angra 3, em 2009.

Mapa mostrando o epicentro do terremoto e a posição das centrais nucleares afetadas. Imagem: Wikipédia.

Nem os desdobramentos mundiais do acidente de Fukushima foram suficientes para interromper a empreitada. Alguns países, como EUA e França, já paralisaram seus planos de expansão nuclear e outros, como Alemanha, Itália e Suíça planejam a desativação de suas centrais até a próxima década. Todos os reatores europeus estão sendo submetidos a testes de segurança para reavaliar sua verdadeira vulnerabilidade a acidentes.

Parte dos recursos para a construção de Angra 3 viria de bancos europeus, intermediados por fiança alemã, desde que fosse comprovado, dentro dos atuais critérios, que as usinas do complexo de Angra são seguras e resistem a impactos naturais. Mas novamente o risco de acidentes vem sendo minimizado pelas autoridades nacionais, que tardam em providenciar respostas adequadas às limitações de segurança das usinas de Angra,  jamais projetadas e testadas para funcionarem em regiões de solo desfavorável e sujeitas a deslizamentos, o que dirá outras intempéries.

Pelo menos no campo energético, o Japão está fazendo sua lição de casa. Desligou todos os seus 53 reatores e resistiu ao aumento da demanda energética no verão do hemisfério norte, lançando mão de medidas de eficiência energética. O programa de incentivo a energias renováveis já resultou na instalação de 560 MW em energia solar fotovoltaica após um mês, e prevê-se um total de 2500 MW em energias renováveis até março do próximo ano, o equivalente a duas usinas de Angra 3.

No Brasil, o BNDES tem investido em energias renováveis, notadamente parques eólicos. No entanto, também segue como o grande apoiador da construção de Angra 3, aportando R$ 6 bilhões ou 60% do investimento – valor que pode aumentar se o empréstimo europeu não vier.

Depois do legado dos acidentes de Goiânia e Fukushima, sem mencionar o trágico episódio de Chernobyl, na Ucrânia, não precisamos de mais vítimas para ter a certeza de que esse não é o caminho a ser seguido. Precisamos é de coragem e ousadia para apostar em uma revolução energética, investindo ainda mais em energias renováveis e aproveitando o enorme potencial brasileiro de fontes de energia como eólica, solar, por biomassa e oceânica.

 

  • Ricardo Baitelo

    Ricardo Baitelo é Doutor em Engenharia e Planejamento Energético e coordenador da campanha de Clima e Energia do Greenpeace B...

Leia também

Reportagens
25 de novembro de 2021

Morcegos são a salvação da lavoura (de milho) no Distrito Federal

Os mamíferos alados poupam o bolso de produtores ao devorarem lagartas e outros insetos que atacam os cultivos. Animais ainda são vistos com temor, agredidos e mortos na cidade e no campo

Reportagens
25 de novembro de 2021

ICMBio passa a aceitar permanência de tradicionais em unidades de conservação de proteção integral

Novo posicionamento, tomado a partir de recomendação da Advocacia Geral da União, divide opinião de especialistas. 83% das UCs deste grupo serão afetadas

Salada Verde
24 de novembro de 2021

Adiada votação do PL que proíbe uso de arma de fogo por fiscais ambientais

Relator pede rejeição da proposição. Projeto resgata proposta do então deputado Jair Bolsonaro de tirar o porte de fiscais ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta