Notícias

As trágicas enchentes na Austrália

Imagens de satélite revelam a dimensão do impacto causado pelas chuvas nos meses de dezembro e janeiro. Milhares de pessoas ficaram desabrigadas. 

Redação ((o))eco ·
10 de janeiro de 2011 · 11 anos atrás

Exibir mapa ampliado

Nos meses de dezembro e janeiro, fortes chuvas causadas pela tempesdade tropical tasha  na província de Queensland, Austrália surpreenderam moradores e autoridades. Os rios da região sofreram enchentes-relâmpago forçando a evacuação de milhares de pessoas e causando perdas de propriedades. Além disso, a grande quantidade de sedimentos que está sendo carregada pelas chuvas para a costa turva as águas do Cabo Bowling Green e ameaça chegar à Grande Barreira de Corais, o conjunto de recifes mais biodiverso de todo o planeta.

Nas imagens de satélite abaixo pode-se observar a clara diferença entre dezembro de 2009, quando o rio Buderkin mal pode ser visto do espaço, enquanto nas outras imagens, feitas em dezembro de 2010 e janeiro de 2011, após as chuvas, o corpo da água forma uma enorme língua marrom. As imagens foram providas com exclusividade a ((o))eco pela AEA através de parceria com a Agência Espacial Europeia. (Gustavo Faleiros)

Imagem de 02 de janeiro de 2011

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta