Notícias

Enxurrada no RS atinge 12 regiões e causa mortes

Cenário de mudanças climáticas e tendência de aumento das precipitações explicam as tempestades severas que atingiram os gaúchos

Flávia Moraes ·
29 de abril de 2011 · 13 anos atrás

Flávia Moraes

Deslizamento de terra em Igrejinha/RS - Crédito Defesa Civil RS
Deslizamento de terra em Igrejinha/RS – Crédito Defesa Civil RS
O Rio Grande do Sul foi atingido por um evento extremo de chuvas durante o feriado de Páscoa. Na tarde de sexta-feira (22) e madrugada de sábado (23), gaúchos de 12 regiões do Estado foram atingidos por tempestades severas, que resultou em deslizamentos de terras e mortes em alguns municípios.

Segundo a Defesa Civil do RS, até a tarde do dia 27 de abril, 22 cidades haviam decretado situação de emergência ou notificação preliminar de desastre, causadas por enxurrada, granizo ou vendaval. Entre as regiões mais prejudicadas pelas chuvas estão: Vale do Paranhana, Vale dos Sinos, Região Metropolitana, Vale do Rio Pardo, Vale do Taquari, Vale do Caí, Missões, Noroeste, Campanha, Centro, Sul e Fronteira Oeste.

Até o momento, foram registradas 12 mortes e mais de 40 mil pessoas ficaram sem energia elétrica. Outros estragos foram relacionados à queda de pontes, deslizamentos de terras, quedas de árvores em estradas, além do aumento do nível de rios. O Rio Caí chegou a ficar 8,5 metros acima do nível normal, tendo que haver operação de retirada de cerca de 50 famílias ribeirinhas do Vale do Caí.

O professor do Departamento de Geografia da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e climatologista, Francisco Aquino, explica como ocorreu a formação do evento extremo que causou essa situação de desastre no RS e como esse caso se enquadra no cenário de mudanças climáticas global.

  • Flávia Moraes

    Jornalista, geógrafa e pesquisadora especializada em climatologia.

Leia também

Salada Verde
15 de abril de 2024

MMA revoga normas de Bolsonaro que dificultavam aplicação de multas ambientais

Mudanças foram publicadas no Diário Oficial nesta segunda-feira (15). Durante gestão anterior, aplicação de multas ambientais na Amazônia caiu 93%

Reportagens
15 de abril de 2024

Área de mangue bem conservado cresce 33% na APA Guapi-Mirim, na Baía de Guanabara

Proteção assegurada por unidades de conservação favoreceu regeneração natural; Atividades do Gaslub (antigo Comperj) ameaçam APA e Esec Guanabara

Reportagens
15 de abril de 2024

Destruição do Cerrado emperra mega corredor da onça-pintada

É inadiável ampliar unidades de conservação e melhor alocar a vegetação legalmente protegida para salvar espécies nativas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.