Notícias

Adiada decisão sobre Santuário de Baleias no Atlântico Sul

Manobra do Japão conseguiu evitar que a Comissão Baleeira Internacional aprovasse proposta apresentada pelo Brasil e Argentina

Vandré Fonseca ·
20 de julho de 2011 · 11 anos atrás

Foto: © Fundación Yubarta
Foto: © Fundación Yubarta

Uma manobra do Japão e países aliados conseguiu evitar que a Comissão Baleeira Internacional (CBI), reunida de 11 a 14 de julho, em Jersey, Ilhas do Canal, aprovassem a criação de um santuário no Atlântico Sul. A proposta apresentada pelo Brasil e Argentina, com apoio de outros governos sul-americanos, se arrasta desde 2001 e tinha a possibilidade de ser aprovada em plenário este ano. Mas uma minoria, contrária a ideia, conseguiu suspender a votação, apesar do haver quórum suficiente para a deliberação.

“Foi o medo de perder a votação, pura e simplesmente, que fez o Japão tirar seus marionetes da Plenária e, como sempre faz quando tem seus interesses contrariados, criar uma confusão para desacreditar o processo multilateral”, afirma José Truda Palazzo Júnior, que coordenou para o governo brasileira a redação da proposta do santuário e há 28 acompanha reuniões da Comissão Baleeira internacional.

O apoio ao Japão este ano foi menor do que em outras reuniões, o que favorecia a aprovação da proposta dos países sul-americanos. Mas segundo relata a diretora-executiva do Centro de Conservação Cetacea do Chile, da Elsa Cabrera, assim que a votação foi aberta, Japão e aliados deixaram a reunião. E mesmo assim, havia quórum para que a decisão fosse tomada.

“A confusão e evidente falta de vontade do presidente interino da CBI para respeitar e aplicar os procedimentos da comissão produziu a suspensão da votação do santuário das baleiras até a próxima assemblẽia anual, que vai ser no Panamá em 2012”, escreve ela em um artigo publicado na página do CCC, na internet.

O Japão, e países alinhados a ele, conseguiram com isto evitar também o debate de propostas mais efetivas para dar transparências às decisões e evitar a compra de votos dentro da comissão. No ano passado, o jornal inglês Sunday Times denunciou os esquemas utilizados pelo Japão para comprar votos e barrar iniciativas de preservação das baleias dentro da comissão.

De acordo com Truda, que já denuncia há anos o esquema japonês (ver coluna em O Eco), foi aprovada apenas uma resolução que impede o pagamento em dinheiro das taxas devidas pelos países à Comissão. “Este pagamento agora vai ser feito via depósito bancário, que facilita o rastreamento dos valores”, conta.

Mas a proposta apresentada pela Inglaterra, como destaca Truda, era mais abrangente e previa inclusive a participação da sociedade civil nas discussões. Ele acredita que o modelo da CBI, criada por uma convenção da ONU em 1946, esteja esgotado. A Comissão foi criada para disciplinar a caça à baleia, mas de lá para cá, a maioria dos países mudou de posição e passou a defender a conservação destes animais. A CBI, porém, mudou muito pouco. “Estamos remando contra a maré”, descreve Truda.

Elsa Cabrera, responsabiliza o que chama de “diplomacia do arpão” por consumir valiosos dias de trabalho em negociações orientadas para debilitar medidas básicas de transparência e governança na Comissão. Para ela, apesar de reduzir a c orrupção, a resolução adotada para dar mais transparência às decisões da CBI não melhorar a participação da sociedade civil e não vai evitar práticas corruptas.

O governo brasileiro teve apenas um representante oficial, o diplomata Marcus Paranaguá, apesar de haver o credenciamento de um representante do Ministério do Meio Ambiente, que não apareceu. Ele e os representantes argentinos foram os defensores da proposta do Santuário.

Ilhas Sacalinas

A Rússia alidada do Japão conseguiu evitar também a discussão sobre a exploração de petróleo e gás nas Ilhas Sacalinas, que fica entre os dois países. O WWF denuncia que esta atividade ameaça a população de baleias-cinzentas da região , devido aos riscos de um derramamento e também aos ruídos provocados pela pesquisa e pela extração dos produtos.

Pelos critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, em inglês), as baleias-cinzentas estão criticamente ameaçadas de extinção. Estima-se que restem apenas cerca de 130 baleias-cinzentas no Oeste do Pacífico. De acordo com o WWF, a perda de uma ou duas fêmeas por ano pode levar esta população de baleias à extinção. No ano passado, foram realizados seis testes sísmicos próximos à principal área de alimentação das baleias, nas Ilhas Sacalinas. Para detectar depósitos de óleo abaixo do fundo do mar, são usados fortes pulsos sonoros, que podem levar as baleias a abandonar a área.

Leia também
José Truda
Petróleo ameaça baleias na Rússia

Saiba mais
Site de José Truda Palazzo Júnior
El Nuevo Orden Ballenero: Despotismo Amenaza Comisión Ballenera Internacional, artigo de Elsa Cabrera
CBI
Jersey




Leia também

Reportagens
27 de maio de 2022

Um caminho (e um sonho) para unir a América

A construção de uma trilha pan-americana que conecte caminhos do Alasca à Patagônia parece um sonho distante, mas já há sonhadores dispostos a montar esse quebra-cabeça

Notícias
27 de maio de 2022

São Paulo registra duas décadas de poluição do ar acima do recomendado pela OMS

Em alguns pontos da cidade, concentração de poluentes foi quatro vezes maior do que o indicado, mostra estudo. Poluição mata 7 milhões de pessoas por ano no mundo

Notícias
26 de maio de 2022

Conexão de trilhas e pessoas embala 1º Congresso Brasileiro de Trilhas

Evento que começou nesta quarta (25) e se estende até domingo, em Goiânia, conta com mais de 1.500 inscritos para discutir e fomentar a implementação de trilhas no Brasil

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta