Notícias

Número de queimadas é menor em 2011

Levantamento feito pelo ((o))eco mostra queda de 74% no número de focos de calor na Amazônia em 2011 comparados com o período de seca do ano passado. Veja mapa com os dados.

Anderson Costa ·
23 de agosto de 2011 · 10 anos atrás

Depois de literalmente ter ardido em brasas no ano passado, o Brasil registra em 2011 uma queda significativa na quantidade de focos de calor observados por satélites no período de seca. De acordo com levantamento feito pelo ((o))eco com base em dados do sensor MODIS, a bordo dos satélites Aqua e Terra, da NASA, houve uma redução de 63% nas queimadas entre os dias 01 de maio e 20 de agosto, de 53890 pontos de incêndio para 19936. Normalmente, a temporada de queimas agrícolas e nas fazendas de pecuária ocorrem entre os meses de maio e outubro. O fogo é ainda uma das técnicas mais utilizadas por agricultores brasileiros para a limpeza do campo para novos plantios. 

O mapa abaixo mostra os focos de calor no território brasileiro e países vizinhos

Comparação dos Mapas de queimadas que ocorreram na Amazônia Legal em 2010 e 2011. (dados: MODIS; mapas: Anderson Costa)
Comparação dos Mapas de queimadas que ocorreram na Amazônia Legal em 2010 e 2011. (dados: MODIS; mapas: Anderson Costa)

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta