Notícias

Carbono florestal na Bahia é referência para estudo sobre MDL

Estudo realizado no Brasil deve subsidiar proposta de revisão do padrão de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo para a segunda fase de Kyoto.  

Flávia Moraes ·
26 de agosto de 2011 · 10 anos atrás

Flávia Moraes

Papagaio do mangue ou curica, ave da região do Corredor Monte Pascoal-Pau Brasil. Crédito: Enrico Marone
Papagaio do mangue ou curica, ave da região do Corredor Monte Pascoal-Pau Brasil. Crédito: Enrico Marone
O projeto Corredor Monte Pascoal-Pau Brasil (CMPPB) na região de Porto Seguro/BA, será objeto de análise para um estudo do Governo Japonês, o qual vai verificar que passos ainda teriam que ser dados para que esse projeto entre no padrão MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo) para atividades florestais. Atualmente, o projeto, que prevê a recuperação de 4 mil hectares de Mata Atlântica, é voltado para o mercado voluntário de carbono.

O consultor do Instituto BioAtlântica, Beto Mesquita, explica que o problema de participarem apenas do mercado voluntário de carbono está no fato de que “os projetos que não estão no mercado oficial, com padrão MDL, não podem ser computados nos compromissos formais que cada país tem na redução de carbono. O mercado voluntário, do qual já participamos, serve para transações entre empresas, mas não para os compromissos do Protocolo de Kyoto”.

Recuperação da Mata Atlântica na Bahia. Crédito: Enrico Marone
Recuperação da Mata Atlântica na Bahia. Crédito: Enrico Marone
O que dificulta, até hoje, os projetos de carbono florestal a entrarem no MDL são os altos custos. A partir do estudo do governo japonês, a ser realizado entre setembro de 2011 e fevereiro de 2012, vai se comparar os padrões aplicados no CMPPB com os atuais do MDL para subsidiar uma proposta de revisão deste último. “Dessa forma, seria possível que na segunda fase de Kyoto mais projetos brasileiros de redução de carbono pudessem ser considerados”, afirma Mesquita.

O CMPPB já está em andamento a três anos, período no qual já foi possível recuperar 300 hectares de floresta (aqui pode relacionar com a foto da recuperação da Mata). Ao final, deve-se reconectar dois importantes parques nacionais que têm simbolismo para o Brasil: o Monte Pascoal, que foi o primeiro ponto avistado pelos navegadores no descobrimento do país, e o Pau Brasil, espécie que nomeou o Brasil.

O estudo será realizado através de uma parceria entre o IBio, a consultoria ambiental WayCarbon, e o Centro Japonês Internacional de Cooperação e Promoção da Silvicultura (JIFPRO, sigla em Inglês).

 

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta