Notícias

Fontes renováveis lideram leilão de energia

Mais de 2 mil megawatts de nova capacidade de energia elétrica, disponível até 2014, foram comercializados no Leilão A-3 de agosto.  

Flávia Moraes ·
5 de setembro de 2011 · 13 anos atrás
O Leilão de Energia A-3 deste ano, realizado em agosto, resultou na comercialização de 2.744 megawatts (MW) de nova capacidade ao sistema elétrico brasileiro e deve atender ao mercado consumidor até 2014. Foram 51 usinas contratadas, para as quais os investimentos na construção devem chegar a R$ 6,5 bilhões. Do total de energia, 62% é oriunda de fontes renováveis – hídrica, eólica e biomassa – e 38% de fonte fóssil (gás natural).

Ricardo Baitelo, coordenador da Campanha de Energias Renováveis do Greenpeace, avalia o resultado como “um novo salto de competitividade da geração eólica, que começa a apresentar preços compatíveis com os de usinas hidrelétricas. As eólicas negociaram cerca de 2 mil MW e agora, somando-se ao potencial de crescimento do setor que já era previsto para 2013, teremos mais de 7 mil MW de energia eólica na matriz brasileira em três anos, montante que equivale a meia usina de Itaipu”.

Contudo, Baitelo ressalta que usinas de cogeração a biomassa e pequenas centrais hidrelétricas tiveram um baixo desempenho de contratação no leilão. “Isso deixa claro que essas fontes não contam com igualdade nas condições de financiamento, isenções e deduções fiscais ou com um conjunto regulatório suficiente para permitir seu desenvolvimento na matriz elétrica brasileira. Na verdade, apesar do ótimo desempenho das eólicas, o setor pede leilões exclusivos para cada fonte, a fim de permitir o desenvolvimento paralelo de todas elas e não a perda de espaço de algumas”, conclui.

Os empreendimentos negociados contemplaram os estados da Bahia (266 MW), Ceará (104 MW), Maranhão (499 MW), Minas Gerais (40 MW), Mato Grosso do Sul (98 MW), Pernambuco (78 MW), Piauí (76 MW), Rio de Janeiro (530MW), Rio Grande do Norte (53 MW), Rio Grande do Sul (492 MW), Rondônia (450MW) e São Paulo (60 MW). Estima-se uma movimentação financeira, nos contratos de compra e venda entre geradores e distribuidores, de R$ 29,14 bilhões no prazo de 20 e 30 anos.

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim, em entrevista coletiva ao final do Leilão, afirmou que o resultado do processo de contratação foi amplamente positivo, já que não houve uma categoria de energia que tenha dominado o mix de contratação (veja o resultado das fontes contratadas na tabela abaixo).

  • Flávia Moraes

    Jornalista, geógrafa e pesquisadora especializada em climatologia.

Leia também

Colunas
28 de maio de 2024

Pela apreciação do PL do Mar

A sociedade brasileira deve pressionar os seus representantes para que este projeto não continue a ser adiado após mais de dez anos de discussão

Notícias
28 de maio de 2024

Cidades amigas das aves nativas serão mais sustentáveis 

Parte dos moradores de Belo Horizonte (MG) e de Bauru (SP) valoriza as espécies aladas, mostra uma pesquisa inédita

Reportagens
28 de maio de 2024

Dinastia Amazônia

Demanda da China sobre o agronegócio brasileiro impacta na preservação da floresta, mas também pode moldar seu futuro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.