Notícias

Pimentão é o novo campeão de agrotóxicos

Entre os primeiros estão morango, pepino, alface, cenoura e... abacaxi. A encrenca é grande segundo a lista que acabou de ser divulgada pela Anvisa.

Eduardo Pegurier ·
7 de dezembro de 2011 · 10 anos atrás

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acaba de divulgar seu último estudo sobre contaminação de alimentos por agrotóxicos, baseado em pesquisa feita durante 2010. O trabalho envolveu amostras de 18 alimentos em todos os estados da federação, com exceção de São Paulo, que se recusou a participar.  De um total de 2.488 amostras coletadas, 28% foram consideradas insatisfatórias.

Entenda o resultado através das tabelas abaixo. A Anvisa classifica as amostras problemáticas de alimentos em 3 categorias:

  • Na coluna 1 (% que usa o agrotóxico errado) aponta o número de amostras e seu percentual relativo àqueles alimentos que foram tratados com substâncias indevidas, isto é, que não deveriam ser usadas na sua cultura
  • A coluna 2 (% que usa agrotóxico acima do nível permitido) mostra o número e o percentual de amostras que usaram agrotóxico demais, embora do tipo permitido para essa cultura
  • A coluna 3 mostra a interseção das duas primeiras, isto é, o número de amostras e percentual de alimentos que usaram agrotóxico do tipo errado e em quantidade excessiva

Por fim a última coluna dá um resultado geral. Mostra a soma das 3 colunas, indicando a chance de um dos alimentos estudados ter um dos problemas acima. Como se vê na tabela abaixo, no caso do pimentão essa chance é de 91,8%, para o morango é de 63,4%, e, para o pepino, de 57,4%, só para ficar nos três primeiros.


A coisa fica melhor quando olhamos apenas para a contaminação excessiva, na tabela a seguir, que mostra níveis de contaminação das amostras abaixo de 10%. Nessa lista, o campeão foi o abacaxi, com 8,2%.

De acordo com matéria de Vanessa Correa, publicada hoje na Folha de São Paulo, apesar de grande produtor, o estado de São Paulo foi o único a não participar dessa pesquisa nacional. A ausência foi explicada pelas autoridades locais pelo fato de São Paulo fazer seu próprio levantamento. Mas, continua a Folha, São Paulo acompanha apenas 3 produtos, arroz, feijão e laranja. É mesmo duro de engolir pois o estado é grande produtor de morango, por exemplo.

O estudo apresenta resultados ruins como os do ano passado e indica que o Brasil ainda tem chão pela frente até construir uma fiscalização que garanta alimentos mais seguros. Nessa lista, pepino e abacaxi, além de alimentos, também carregam seu significado metafórico: são um problemão.

  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Salada Verde
24 de maio de 2022

Rede de Conservação Águas da Guanabara organiza seminário de educação ambiental

Inscrições estão abertas para o evento, que ocorre nos dias 11 e 12 de julho, em Niterói, e tem como objetivo integrar e promover projetos de sensibilização ambiental na Baía de Guanabara

Salada Verde
24 de maio de 2022

O papel da Amazônia nas próximas eleições é tema de debate online

Miriam Leitão, Caio Pompeia e Mônica Sodré participam de Mesa Aberta promovida pelo site ((o))eco na próxima quinta-feira. Evento é aberto ao público

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta