Notícias

Até para os Americanos dirigir perdeu o charme

Estatística para jovens que tiram a carteira de motorista entre os 16 e 18 anos está caindo. Os mais velhos tentam reduzir a dependência.

Eduardo Pegurier ·
4 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
Loura e conversível: um relação a perigo nos EUA. Foto: KtylercConk
Loura e conversível: um relação a perigo nos EUA. Foto: KtylercConk
Em 2008, apenas 31% dos americanos com 16 anos de idade tinham suas carteiras de motorista, contra 46% em 1983, de acordo com um novo estudo da publicação Prevenção de Ferimentos no Tráfego (Traffic Injury Prevention). Os números também caírem para a idade de 18 anos, de 80% em 1983 para 65% em 2008, e a percentagem de pessoas na faixa dos 20 ou 30 anos com carteira de motorista também diminuiu. Até quem tem carteira está tentando dirigir menos. Um novo levantamento feito pela Zipcar, empresa de compartilhamento de automóveis, descobriu que mais da metade dos motoristas com menos de 44 anos estava se esforçando para reduzir o tempo que passam empacotados como ramsters nas suas brilhantes caixas de metal

Via Grist
 
  • Eduardo Pegurier

    Mestre em Economia, é professor da PUC-Rio e conselheiro de ((o))eco. Faz fé que podemos ser prósperos, justos e proteger a biodiversidade.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.