Notícias

Diário Criosfera – Missão cumprida e 1º banho em semanas

Missão encerrada. Após 30 anos do Programa  Antártico Brasileiro, finalmente temos um laboratório científico no interior daquele continente.

Jefferson Simões ·
25 de janeiro de 2012 · 10 anos atrás
Equipe da Expedição Criosfera junto com o Comandante Marcelo Luis Seabra Pinto do navio polar brasileiro Ary Rongel (da Marinha do Brasil) no porto da cidade de Punta Arenas (logo após entregar a carga ao navio e encerrarem a expedição). Tomada dia 23/01/2011. Foto: Jefferson Simões
Equipe da Expedição Criosfera junto com o Comandante Marcelo Luis Seabra Pinto do navio polar brasileiro Ary Rongel (da Marinha do Brasil) no porto da cidade de Punta Arenas (logo após entregar a carga ao navio e encerrarem a expedição). Tomada dia 23/01/2011. Foto: Jefferson Simões
18 a 20 de Janeiro – Chegada em Punta Arenas, Chile

Dia 18 tomamos nosso primeiro banho desde 15 de dezembro. Isso é considerado um período curto, já fiquei quase 3 meses sem banho na Antártica, e um colega meu chinês teve que passar 6 meses sem banho em uma travessia antártica!

Percepções: Após 4 semanas vivendo no meio da neve e do gelo, nossos sentidos ficam aguçados. Os primeiros dias, notamos os cheiros, sons e principalmente as cores diferentes. Tudo nos parece mais verde, mesmo aqui na Patagônia Chilena. Ou seja, após essas semanas no manto de gelo antártico, bicolor pelo branco da neve e o azul do céu, do completo silêncio, só entrecortado pelo barulho do vento, nos primeiros dias de volta tudo parece mais do que era antes.

Passamos os últimos três dias preparando a carga que embarcará no Navio de Apoio Oceanográfico Ary Robgel, da Marinha do Brasil. Nesta segunda, 23/01, encerraremos oficialmente a expedição Criosfera.

Embarcamos para Porto Alegre no dia 25.

21 a 23 de Janeiro – Punta Arenas, Chile

Hoje encerramos a expedição e também a atualização deste blog. Quinta-feira (26/01) chegaremos a Porto Alegre.

A Expedição Criosfera, concebida e realizada pela comunidade científica nacional, e financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, marca um novo estágio no Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR). Ao comemorar-se o centenário da chegada do homem ao Polo Sul Geográfico e o trigésimo do PROANTAR, o Brasil finalmente tem um laboratório científico no interior daquele continente, ampliando a área geográfica de atuação do PROANTAR em mais de 4 milhões de km².

A Expedição Criosfera, sob a coordenação-geral do cientista e explorador polar Jefferson Cardia Simões (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), este que vos escreve, teve sucesso pleno ao realizar várias atividades pioneiras.

Primeiro, instalou e colocou em funcionamento um laboratório automatizado e sustentável (toda a energia é provida por geradores eólicos e solares) para estudos atmosféricos a somente 670 km do Polo Sul Geográfico. Esse módulo, chamado “Criosfera 1”, já está transmitindo dados meteorológicos e da química atmosférica diretamente para o Brasil. Essas informações serão essenciais para melhorar as previsões meteorológicas no Brasil e para estudos sobre o impacto das mudanças do clima. O “Criosfera 1” já mede a concentração do CO² (dióxido de carbono, principal gás do efeito estufa). Essas concentrações naquele lugar isolado confirmam as medições realizadas em outros lugares remotos do mundo. Chegam a 386 partes por milhão por volume, um aumento de 40% desde o início da Revolução Industrial.

As realizações da Expedição Criosfera não param por aí, pois tratou-se de uma missão interdisciplinar envolvendo 17 pesquisadores de 7 instituições nacionais e duas chilenas. O grupo volta ao Brasil com amostras de gelo que contarão a história do clima e das mudanças na química da atmosfera ao longo dos últimos 300 anos, realizou medidas com satélites e na superfície Antártica para saber como o gelo está respondendo as variações das mudanças do clima. Sobre isso, é essencial que os brasileiros se deem conta que nós somos o sétimo país mais próximo da massa de gelo do planeta: 90% da criosfera (o conjunto da neve e gelo da Terra) está na Antártica, o volume é tão grande que se colocado em cima do Brasil cobriria os nossos 8,5 milhões de km², com uma camada homogênea de quase 3 km de espessura! Hoje sabemos que mesmo pequenas variações neste gelo afetam o nível dos mares e nosso cotidiano.

No trigésimo ano do PROANTAR, a “Expedição Criosfera” também é um sucesso em termos de política internacional. Ao realizar uma missão no interior do continente, o Brasil demonstra mais uma vez o seu pleno interesse no futuro da região Antártica, ambientalmente e politicamente, reforçando sua posição no âmbito do Tratado da Antártica, o regime jurídico aplicado e que decidirá o futuro de 36 milhões de km².


Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.