Notícias

Estudo mapeia as principais ameaças ao Pantanal

Análise publicada hoje pela WWF mostra as fragilidades da maior zona úmida do planeta. Hoje é celebrado Dia Mundial das Zonas Úmidas.

Daniele Bragança ·
2 de fevereiro de 2012 · 10 anos atrás
Corixo do Moquém (Pantanal). Foto: WWF-Brasil / Sérgio Amaral.

As fragilidades a que está exposta a região do Pantanal é o tema de novo estudo da ONG WWF-Brasil, em parceria com a The Nature Conservancy e o Centro de Pesquisas do Pantanal. A região corre perigo principalmente pela degradação de nascentes e barramento de rios que fluem de áreas de planalto (cerrado) para a planície pantaneira. O trabalho “Análise de Risco Ecológico da Bacia do Rio Paraguai” foi lançado hoje, 02 de fevereiro, data em que se comemora o Dia Mundial das Zonas Úmidas, e o Pantanal, parte da bacia do Paraguai, é a maior área úmida continental do planeta.

Mais de 30 especialistas de quatro países (Brasil, Argentina, Paraguai e Bolívia) participantes do estudo cruzaram dados reunidos em três anos de pesquisa e análise. Ficou constatado que 14% da região pantaneira necessita de proteção urgente, por ser considerada essencial para o fornecimento de água e manutenção do ciclo das cheias. Metade da bacia pantaneira corre riscos ambientais considerados médios ou altos.

Os pesquisadores listaram as principais ameaças à bacia do rio Paraguai:

    1. Desmatamento e manejo inadequado de terras para agropecuária, ambos causadores de erosões e sedimentação de rios.
    2. Barragens feita para a construção de hidrelétricas, que alteram o regime hídrico natural.
    3. Crescimento urbano e populacional, normalmente seguido de obras de infraestrutura, como rodovias, barragens, portos e hidrovias que – se construídas sem critérios de sustentabilidade – colocam em risco o frágil equilíbrio ambiental pantaneiro.

Olhando pela parte positiva, 11% da bacia já estão protegidas. O problema é que essa parte não está distribuída de forma adequada para proteger as regiões que mais fornecem água, ou as mais ricas em biodiversidade.

Vivem na região Bacia do rio Paraguai cerca de 8 milhões de pessoas, com uma economia concentrada na pecuária, que conta com 30 milhões de cabeças de gado. É ainda a região onde existe uma das maiores reserva de água doce do planeta.

 

Zonas Úmidas

As Zonas Úmidas são aquelas situadas em uma área de transição entre os ecossistemas aquáticos e terrestres, consideradas áreas muito vulneráveis do ponto de vista ambiental.

Além do Pantanal, o Brasil possui outras sete áreas úmidas importantes: Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (AM), Ilha do Bananal (TO), Reentrâncias Maranhenses (MA), Área de Proteção Ambiental da Baixada Maranhense (MA), Parque Estadual Marinho do Parcel de Manoel Luz (MA), Lagoa do Peixe (RS) e a Reserva Particular do Patrimônio Natural SESC Pantanal (MT).

Elas são classificadas como sítios Ramsar, que são áreas úmidas selecionadas pelos países e aprovadas por um corpo técnico de acordo com sua importância. Foram instituídos pela Convenção de Ramsar, realizada, em 1971, na cidade iraniana de mesmo nome. Além de protegidas pela Convenção, todo dia 02 de fevereiro é feito um balanço dessas importantes áreas.

A Convenção é um tratado intergovernamental que estabelece marcos para ações nacionais e internacionais para a conservação e o uso racional de zonas úmidas e de seus recursos naturais. Todo ano o secretariado da Convenção sugere um tema para as ações desenvolvidas pelos países membros da Convenção. Esse ano o assunto sugerido para foi Dia Mundial das Áreas Úmidas (World Wetlands Day) foi “Turismo em Zonas Úmidas: Uma Grande Experiência”.

 

Saiba Mais:

Para ter acesso ao material (em espanhol) da Convenção de Ramsar sobre turismo e Zonas Úmidas, clique aqui.

Para ler o estudo Análise de Risco Ecológico da Bacia do Rio Paraguai, lançado hoje, clique aqui.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Notícias
3 de dezembro de 2021

Amapá vende terras públicas invadidas a R$ 46 o hectare

Estado possui mais de 2,5 milhões de hectares de áreas ainda não destinadas. Cerca de 50% deste total é classificado como de importância biológica extremamente alta

Reportagens
3 de dezembro de 2021

Novo Código de Mineração propõe aprovação automática de milhares de processos parados na ANM

Proposta pode afetar mais de 90 mil requerimentos que aguardam aprovações técnicas e ambientais; medida ainda interfere na criação de unidades de conservação e dificulta demarcação de terras indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta