Notícias

Pesca do Piracatinga agrava matança de botos cor-de-rosa

Pedaços de boto são usados como isca. Piracatinga, peixe chamado de urubu d’água, mudou de nome para atrair consumidores em Manaus

Vandré Fonseca ·
25 de julho de 2012 · 9 anos atrás

Manaus, AM – Para driblar a rejeição do consumidor, a piracatinga (Callophysus macropterus) – peixe capturado usando botos mortos como isca – ganhou novos nomes no mercado da capital amazonense. A piracatinga é um peixe pouco nobre, também conhecido como urubu d’água por comer animais mortos. Agora, ela pode ser encontrada com os nomes de “douradinha” ou “piratinga” em feiras e supermercados da cidade, segundo informações da Associação Amigos do Peixe-boi-da-amazônia (Ampa).

Segundo a associação, o aumento da captura da piracatinga está associada aos casos cada vez mais comuns de matança de botos na região. A gordura do boto é um excelente atrativo para este peixe.

O monitoramento dos botos na região da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Mamirauá, realizado há 17 anos pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), indica que o número de botos cor-de-rosa, conhecidos também como botos-vermelhos (Inia geoffrensis) está diminuindo 10% por ano em diversas regiões da Amazônia.

Para denunciar a matança, a Ampa divulgou na internet o vídeo acima, mostrando botos capturados por pescadores. No vídeo, aparecem pescadores abatendo botos-rosas no Rio Purus e também a abordagem de um grupo de pescadores que capturava bichos nas proximidades de Manaus. Os botos são capturados com arpões e abatidos com golpes na cabeça. A carcaça é colocada em gaiolas de madeira, para atrair os bagres.

Embora não seja muito apreciado no Brasil, a piracatinga tem boa aceitação na Colômbia, para onde é enviado para venda, sem fiscalização, através do porto de Tabatinga, que fica a 1.108 km de Manaus. O peixe chega à Bogotá, capital do país, onde é transformado em filés, antes de ser vendido no mercado doméstico ou exportado para o Japão.

Boto cor-de-rosa, usado como isca, seus números caem 10% ao ano. Foto Anselmo d’Affonseca.
Boto cor-de-rosa. Foto Anselmo d’Affonseca.

 

 

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs