Notícias

Livro conta a trajetória de sucesso do projeto Arara Azul

Um dos maiores casos de sucesso de recuperação de população de espécie ameaçada de extinção agora pode ser lido e visto em belas fotos.

Redação ((o))eco ·
24 de agosto de 2012 · 10 anos atrás

Campo Grande (MS) – Um dos maiores casos de sucesso de recuperação de população de espécie ameaçada de extinção virou livro. Quem assina a publicação “Joias azuis no céu do Pantanal” é a bióloga doutora Neiva Guedes, idealizadora do projeto Arara Azul. A obra também traz fotografias de Luciano Candisani.

O lançamento será no dia 29 de agosto, às 19h30, no auditório do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, à avenida Calógeras, 3.000, na capital sul-mato-grossense.

O Projeto Arara Azul teve início em 1990 com o objetivo de estudar a biologia e as relações ecológicas da arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus), através do manejo e promovendo a conservação da espécie em seu ambiente natural. Ele compreende o acompanhamento das araras e o monitoramento de ninhos naturais e artificiais, em uma área de mais de 400 mil hectares espalhada que inclui várias fazendas no Pantanal. Parte do trabalho é aproximar os proprietários locais do esforço.

Quando começou, apenas 3 mil animais viviam entre o Pantanal, floresta Amazônica e uma pequena região na confluência entre os Estados do Maranhão, Piauí, Goiás, Tocantins e Bahia. As populações do Paraguai e da Bolívia já haviam praticamente desaparecido pela ação dos traficantes.

Em 1990, a população no Pantanal era estimada em 1.500 indivíduos. Hoje, são mais de 5.000, aumento superior a 3 vezes. A presença da arara-azul-grande também está se expandindo para locais onde não era encontrada.

Além da que o nomeia, o projeto contempla outras espécies: araras vermelhas, tucanos, gaviões, corujas, pato-do-mato e outras espécies que coabitam o Pantanal.

A realização do Arara Azul é feita pelo Instituto Arara Azul e parceiros. Entre eles, a Fundação Toyota do Brasil, Universidade Anhanguera Uniderp, Refúgio Ecológico Caiman e Bradesco Capitalização. A partir da próxima quarta-feira (29), o livro estará disponível à venda em todo o Brasil. Mais informações no próprio site do instituto.

Leia também

Reportagens
12 de agosto de 2022

Conhecer para preservar: atrizes de Pantanal contam como se apaixonaram pelo bioma

Letícia e Malu explicam a paixão despertada pelo bioma durante as gravações e destacam importância da conservação para a região

Notícias
12 de agosto de 2022

Amazônia perdeu área equivalente à cidade de São Paulo em julho, mostra INPE

Números foram atualizados nesta sexta-feira. Desmatamento em 2022, segundo o Deter, chegou a 8.600 km², área quase do tamanho de Rio Branco (AC)

Notícias
12 de agosto de 2022

Monitoramento de baleias no Rio registra trânsito de 58 baleias próxima das ilhas Cagarras

Desde o ano passado, o Projeto Ilhas do Rio acompanha o corredor migratório das jubartes pelo litoral do Rio. Pesquisadores alertam para grande volume de lixo na rota das baleias

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta