Notícias

Cites: aprovada proteção de 5 espécies de tubarões

Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (Cites) incluiu espécies na sua lista de controle de comercialização.

Daniele Bragança ·
11 de março de 2013 · 9 anos atrás
Tubarão-sardo (Lamna nasus), incluído no apêndice II da Cites. Foto: wikimédia.
Tubarão-sardo (Lamna nasus), incluído no apêndice II da Cites. Foto: wikimédia.
 

Por 93 votos a favor e 39 contra, a Convenção para a Regulamentação do Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Silvestre Ameaçadas de Extinção (CITES), aprovou nesta segunda-feira (11) a limitação do comércio de 5 espécies de tubarões: – o tubarão-de-pontas-brancas-oceânico (Carcharhinus longimanus), o tubarão-sardo (Lamna nasus) e os tubarões-martelo recortado (Sphyrna lewini), gigante (Sphyrna mokarran) e liso (Sphyrna zygaena).

As espécies foram incluídas no Apêndice II da convenção, lista das espécies que não estão sob risco iminente, mas que pedem regulação para que o comércio não agrave o seu status e as coloque na rota da extinção. A exportação de espécies do Apêndice II exige documentação específica. Ou seja, não há proibição total da comercialização, apenas maior controle.

Até agora, a Cites tinha no seu apêndice II apenas 3 espécies de tubarão: o tubarão-branco, o tubarão-baleia e o tubarão-frade.

A inclusão das espécies na lista contou com a oposição da China e do Japão, países consumidores da sopa de barbatana e que se beneficiam do comércio sem controle. Japão defende que organizações de pesca, e não convenções como a Cites, regulamentem espécies marinhas comerciais.

O consumo de barbatana para sopas e outros pratos exóticos e o comércio da cartilagem são responsáveis pela morte de 100 milhões de tubarões no mundo todo. Das 88 espécies brasileiras, 38 estão na lista de extinção.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Salada Verde
23 de junho de 2022

Tchau, querido? Noruega se diz pronta para retomar Fundo Amazônia com saída de Bolsonaro

País europeu é o maior doador do Fundo Amazônia, paralisado em 2019 depois de mudanças promovidas em sua gestão pelo então ministro Ricardo Salles

Reportagens
23 de junho de 2022

Preservar 80% da Amazônia custa 7 vezes menos do que Europa gasta com suas áreas de proteção

Segundo estudo, conservar 3,5 milhões de km² da floresta, área necessária para preservar suas funções ecológicas, custaria de 1,7 a 2,8 bilhões de dólares anuais

Reportagens
23 de junho de 2022

No meio do caminho tinha uma Unidade de Conservação

Levantamento inédito feito pelo CCCA, em parceria com ((o))eco, mostra ocupação de UCs em Rondônia como método para forçar redução ou reclassificação de áreas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta