Notícias

Cai superintendente do Amazonas que pediu investigação contra Salles

Diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, decidiu substituir Alexandre Saraiva, que encaminhou notícia-crime contra Salles por atuação em defesa das madeireiras alvo de operação

Daniele Bragança ·
15 de abril de 2021

O delegado Alexandre Saraiva, que comandou a operação que culminou na apreensão de 200 mil m³ de madeira em toras, não comanda mais a superintendência da Polícia Federal no Amazonas. O diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, decidiu afastar Saraiva. Em seu lugar, ficará o delegado Leandro Almada. A decisão sobre a mudança no comando ocorreu ontem (14), mesmo dia em o superintendente decidiu encaminhar uma notícia-crime ao Supremo Tribunal Federal contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, e o senador Telmário Mota (Pros-RR) por atrapalhar ações de fiscalização ambiental.

Saraiva pediu que o senador, o ministro do Meio Ambiente e o presidente do Ibama sejam investigados por crime de advocacia administrativa, obstrução de investigação ambiental e organização criminosa. 

A Polícia Federal afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a instituição não comenta “eventuais nomeações e exonerações de cargos públicos federais”. Mas fontes dentro e próximas da PF afirmam que o delegado sabia da decisão sobre a troca desde a tarde desta quarta-feira (14). Hoje, no início da tarde, Saraiva deu entrevista para a Globo News e fez duras críticas à atuação do ministro do Meio Ambiente e ao Ibama. 

Alexandre Saraiva, ex-superintendente da PF no Amazonas. Foto: Twitter/General Mourão.

“Não é todo dia que o superintendente faz isso [levar a notícia crime ao STF], mas também não é todo dia que um ministro de uma outra pasta se arvora a promover a defesa de infratores ambientais”, disse Saraiva, que afirmou que ainda não havia sido informado sobre possível substituição. 

Não se sabe se Saraiva, que tem bom relacionamento com o presidente Bolsonaro – chegou inclusive a participar de uma live com o presidente quando ele acusava países estrangeiros de comprar madeira ilegal brasileira – voltará para o Rio de Janeiro. 

Leia Também

https://www.oeco.org.br/noticias/mpf-quer-investigar-presidente-do-ibama-por-afrouxar-regras-para-exportacao-de-madeira/
  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
19 de novembro de 2020

É do Brasil a batata quente da madeira ilegal

Declarações presidenciais são cortina de fumaça sobre desmonte de órgãos e políticas ambientais e podem prejudicar negócios do país no futuro próximo

Notícias
13 de abril de 2021

MPF quer investigar presidente do Ibama por afrouxar regras para exportação de madeira

Eduardo Bim assinou despachos facilitando o comércio de produtos florestais de origem nativa. Câmara Ambiental do MPF pediu abertura de investigação

Notícias
21 de outubro de 2021

Até 2020 Rondônia não possuía lei para regular destinação de terras públicas

Estado tem quase 30% de seu território ocupado por terras não destinadas. Briga entre Legislativo e Executivo rondonienses dificultam formalização dos processos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta