Notícias

Greenpeace protesta contra leilão de térmicas a carvão

Ativistas despejaram 1,5 tonelada de carvão em frente ao prédio do Ministério de Minas e Energia, contra o retorno das térmicas aos leilões.

Redação ((o))eco ·
28 de agosto de 2013 · 11 anos atrás

Em protesto contra o retorno das térmicas a carvão, ativistas do Greenpeace despejaram carvão em frente ao Ministério de Minas e Energia. Foto: Elza Fiúza/ABr
Em protesto contra o retorno das térmicas a carvão, ativistas do Greenpeace despejaram carvão em frente ao Ministério de Minas e Energia. Foto: Elza Fiúza/ABr
 

Fantasiados de mineradores, com macacão cor de abóbora e capacete de proteção, ativistas do Greenpeace despejaram na manhã desta quarta-feira (28) uma tonelada e meia de carvão em frente ao prédio do Ministério de Minas e Energia, em Brasília. O ato foi um protesto contra o retorno das usinas termelétricas a carvão no Leilão de Energia, marcado para amanhã (29).

Uma faixa com o slogan “Lobão, carvão no leilão não!” foi pendurada e os ativistas encenaram um leilão de energia. Uma carta contra a participação das usinas térmicas no leilão de energia foi entregue a um ativista caracterizado como o ministro Edison Lobão. Leia a carta na íntegra.

O objetivo do ato foi chamar atenção para o leilão A-5, que prevê a contratação antecipada de energia elétrica que só começará a ser produzida em 2018. O leilão será operacionalizado pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), e participam dele 36 projetos: uma usina hidrelétrica (UHE Sinop), três usinas termelétricas a carvão, 16 termelétricas a biomassa e 16 pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

FONTE Nº de Projetos Oferta de Energia (MW)
Termelétricas a Biomassa 16 919
Termelétricas a Carvão 3 1840
Hidrelétricas (abaixo de 50 MW) 16 376
Hidrelétricas 1 400
TOTAL 36 3.533

As termelétricas a carvão lideram a oferta de energia. Os três projetos habilitados possuem capacidade instalada de 1.840 MW, 52% da energia ofertada, cujo total será de 3.535 MW.

“A decisão de trazer o carvão de volta à matriz energética é injustificável. O governo insiste em retroceder a largos passos e evidencia uma visão míope e limitada ao curto prazo […]”. “Enquanto o mundo inteiro busca formas mais limpas de gerar energia, o Brasil ignora seu imenso potencial de fontes renováveis – como solar, eólica e biomassa – para optar pela fonte mais suja de todas,” critica Renata Nitta, da campanha de Clima e Energia do Greenpeace.

Coincidentemente, foi apresentado ontem o 3º relatório [R]evolução Energética, do Greenpeace, onde afirma que o Brasil poderia avançar no uso de fontes renováveis, como eólica, solar fotovoltaica, solar heliotérmica, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas e que investimentos nessa área faria o país chegar a 66,5% de fontes renováveis em 2050.

 

 

Leia Também
Brasil pode aumentar 45% produção de fontes renováveis
“Belo Monte é um absurdo e termelétricas são desnecessárias”
Um colossal dilema para a humanidade

 

 

 

Leia também

Notícias
12 de julho de 2024

Aprovado, PL do hidrogênio abre brechas para alta emissão de carbono, alertam ONGs

Nota da Coalizão Energia Limpa e do Observatório do Clima critica aumento do limite de emissões e risco de utilização de combustíveis fósseis na produção do hidrogênio; projeto vai à sanção

Notícias
12 de julho de 2024

Rios amazônicos recebem 182 mil toneladas de plástico por ano

Bacia Amazônica já é a segunda bacia hidrográfica mais poluída do mundo, alertam pesquisadores

Salada Verde
12 de julho de 2024

Indígenas se reúnem para discutir restauração ecológica

Técnicas desses povos para recuperar ambientes naturais podem ser incorporadas em políticas públicas nacionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.