Notícias

Alertas de desmatamento na Amazônia sobem 35% em um ano

Apesar do aumento dos alertas, governo diz estar otimista sobre a diminuição do desmatamento anual no bioma, verificada nos últimos 5 anos.

Daniele Bragança · Rafael Ferreira ·
10 de setembro de 2013 · 10 anos atrás

Foto: Antonio Cruz/Abr
Foto: Antonio Cruz/Abr

Apesar dos esforços da permanência de fiscais do Ibama na Amazônia, mesmo na época de chuvas, e de grandes operações como a Onda Verde, criadas para reprimir o desmatamento ilegal na região, os números divulgados hoje pelo Sistema de Alerta de Desmatamento indicam aumento no alerta de desmatamento.

Os dados do DETER acumulados de alerta de corte raso e degradação, que somam os números registrados em cada mês, apresentam um aumento de 35% em um ano: o alerta de desmatamento saltou de 2050,95 km² registrados entre agosto de 2011 a julho de 2012, para 2.765,64 km² no período posterior. As variações mensais podem ser visualizadas no gráfico abaixo.

A tendência de aumento do desmatamento já havia sido registrada pelos dados do Imazon, cujo acumulado do ano apontam para um aumento de 92% do corte raso na Amazônia, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Para o governo, apesar dos números ruins, ainda é cedo para afirmar que o desmatamento na Amazônia Legal está aumentando. Isso se deve há pelo menos duas fragilidades do Sistema DETER. A primeira é que o Sistema tem baixa resolução e só “enxerga” desmate a partir de 25 hectares (ha). Como 60% do desmatamento atual ocorre abaixo de 25 hectares, se o desmatamento está aumentando ou não, apenas o PRODES, que usa um sistema mais apurado e imagens em alta resolução, poderá confirmar. A segunda é que, normalmente, o DETER não faz distinção entre desmatamento (leia-se corte raso) e degradação florestal. Os números estão agrupados. Degradação não é desmatamento, é um estágio anterior. Se a mata não sofrer nenhuma ação de queimada ou corte de madeira, a própria floresta se recupera.

“Já tentei achar uma vinculação e não consigo achar uma proporção para fazer a previsão usando o DETER. Sabe porque? Porque eu não sei quanto vai dar o desmatamento abaixo de 25 hectares, que o satélite não enxerga. É esse desmatamento abaixo de 25 ha que vai dizer se o PRODES vai aumentar ou se vai cair, não é o DETER. O PRODES usa imagens de alta resolução, não tem erro. O DETER é um negócio assim meio vesgo, mas um meio vesgo que passa rápido na Amazônia. E a gente pega esse “passa rápido” e vamos atrás para verificar as coisas que temos a chance de combater”, explica Luciano de Meneses Evaristo, Diretor de Proteção Ambiental do Ibama.

Para apresentar os números hoje, a equipe do Ibama fez uma amostra com 66% dos alertas de desmatamento no período entre agosto 2012/julho 2013. Pela amostra, a divisão dos alertas ficou assim: 57% foram corte raso e 43% queimadas. O aumento de queimadas em agosto e maio fizeram os números de alertas nos dois meses dispararem (ver gráfico).

“O DETER foi feito para mim e não para você”, provoca Evaristo ao explicar para a reportagem de ((o))eco que o sistema foi criado apenas para atender ao sistema de fiscalização do Ibama e não para medir o desmatamento na Amazônia Legal. “No alerta há de tudo, há falso positivo, há queimadas, há olho d’água, esse sistema é feito para o órgão trabalhar, não é para medir a mudança no solo, ele não serve para isso”, explica.

O número anual do desmatamento é produzido pelo PRODES e só inclui corte raso, ou seja, supressão total de floresta. E são esses números do PRODES que são usados pelo Brasil nos acordos internacionais de diminuição de emissão de gases de efeito estufa oriundos do desmatamento ilegal.

Repressão ao desmatamento

O Ibama manteve equipe em campo durante o tempo chuvoso na Amazônia, mas foi a partir de maio, quando as nuvens se dissiparam, que o efetivo aumentou. Mais de mil homens estão na região na tentativa de coibir o desmatamento ilegal. Entre agosto de 2012 e julho deste ano, os agentes emitiram 4 mil autos de infração, com multas que ultrapassaram R$ 1,9 bilhão e mais de 252 mil hectares embargados.

No mesmo período, o Ibama apreendeu 158 tratores (alguns pintados de verde, para serem camuflados na mata), 291 motosserras, 44 armas de fogo, 68 mil metros cúbicos de madeira em toras e 17 mil metros cúbicos de madeira serrada.

 

 

Leia Também
Alertas de desmatamento disparam em maio, aumento de 370%
Deter 2013: os mapas do desmatamento na Amazônia
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento na Amazônia

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Reportagens
27 de setembro de 2023

Lobos-guará e outros animais morrem afogados em canais de irrigação

Perdas ocorrem em polo do agronegócio no oeste baiano, mas o problema pode ser muito maior e fontes pedem ações urgentes

Salada Verde
27 de setembro de 2023

Grileiros queimam casa de extrativista em reserva no oeste de Rondônia

Morador perdeu tudo no incêndio. Área que deveria ser protegida é desmatada e tem milhares de cabeças de gado

Notícias
26 de setembro de 2023

Investimento em renováveis precisa ser 2,5 vezes maior para zerar emissões até 2030

Novo relatório da Agência Internacional de Energia diz que meta de aquecimento global em 1,5ºC está saindo do alcance, apesar de renováveis a manterem viva

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta