Notícias

ONU diz que jogar comida fora tem consequências para o meio ambiente

O montante de 1,3 bi de toneladas de alimentos desperdiçados não agrava apenas a fome, mas impacta diretamente o meio ambiente.

Daniele Bragança ·
12 de setembro de 2013 · 8 anos atrás
Um terço da produção mundial de alimentos se perde antes de chegar na mesa da população. Foto: Caritas Mexicana.

O desperdício de alimentos não agrava apenas a fome: os prejuízos econômicos e ambientais são igualmente graves. De acordo com o relatório “Os rastros do desperdício de alimentos: impactos sobre os recursos naturais”, divulgado ontem (11) pela FAO, braço das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, um terço dos alimentos produzidos no mundo são inutilizados ao longo da cadeia. Os custos econômicos diretos da perda de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos desperdiçados por ano podem chegar a US$ 750 bilhões de dólares por ano. Isso equivale a cerca de um terço da produção mundial.

A pegada hídrica da Agricultura aumenta por conta desses alimentos jogados fora, e ela é responsável por utilizar 70% da água doce consumida no mundo. A FAO calcula que o consumo de água doce equivalente a três vezes o volume do Lago de Genebra, ampliando os danos à biodiversidade causados pelo cultivo de uma única cultura.

“Não podemos simplesmente permitir que um terço de todos os alimentos produzidos seja perdido ou desperdiçado devido a práticas inadequadas, quando 870 milhões de pessoas passam fome todos os dias”, afirmou José Graziano da Silva, Diretor-Geral da FAO. Graziano já foi ministro de  Ministério Extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome, entre 1º de janeiro de 2003 e 23º de janeiro de 2004, e é um dos idealizadores do Fome Zero, programa que chegou a ser colocado em prática no início do governo Lula e que foi substituído pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), agora responsável pelas políticas nacionais de distribuição de renda, segurança alimental e assistência social no país.

Quanto mais próximo do consumo um produto alimentar se perde na cadeia, maiores são as consequências ambientais, de acordo com a FAO. A cada etapa, o custo ambiental do início da produção de comida aumenta ao incorporar custos de processamento, transporte, armazenamento e utilização.

“Todos nós, agricultores e pescadores, processadores de alimentos e supermercados, governos locais e nacionais e consumidores individuais, temos de fazer mudanças ao longo de toda a cadeia alimentar humana”, afirmou Graziano. Isso é, se quisermos reduzir esse enorme desperdício e seus impactos.

 

Saiba Mais
Os rastros do desperdício de alimentos: impactos sobre os recursos naturais (em Inglês)

Leia Também
A produção de alimentos vista do espaço
Um terço da comida do mundo vai para o lixo
Segurança alimentar: hoje e amanhã

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta