Notícias

Onde menos se espera, Suçuarana

A onça-parda (Puma concolor) está presente em todos os biomas brasileiros. E pela foto, também nos ambientes mais inusitados. Crédito: PMA/MS

Redação ((o))eco ·
11 de outubro de 2013 · 8 anos atrás

Em qualquer lugar, até em caixas. Hoje um adulto, este pequeno filhote de onça parda foi recolhido pela Policia Militar Ambientais de Naviraí (MS) em julho/12. Ele foi abandonado pela mãe em um canavial, devido ao barulho e tumulto provocados pelas máquinas. Foto: Divulgação/ PMA-MS
Em qualquer lugar, até em caixas. Hoje um adulto, este pequeno filhote de onça parda foi recolhido pela Policia Militar Ambientais de Naviraí (MS) em julho/12. Ele foi abandonado pela mãe em um canavial, devido ao barulho e tumulto provocados pelas máquinas. Foto: Divulgação/ PMA-MS

A onça-parda (Puma concolor) é um felino nativo das Américas. Graças à sua adaptabilidade, é encontrada em qualquer região e tipo de habitat do continente. Tem a maior distribuição natural entre os mamíferos ocidentais, estendendo-se do oeste do Canadá e Alaska ao extremo sul das Américas. A espécie ocorre em todos os estados do Brasil, principalmente, no Sul e Sudeste, mas com abundância reduzida, tendo em vista a progressiva destruição de ambientes naturais.

Suçuarana, como também é conhecida a onça-parda (outros nomes são: puma, onça-parda, onça-vermelha, jaguaruna , leão-baio, leão-da-montanha) é um felino grande e de hábitos solitários. Gatos fortes e ágeis, os adultos têm cerca de 60 a 76 centímetros de altura, medem de 1,5 a 2,75m de comprimento do nariz à cauda. Normalmente, os machos pesam entre 53 e 100 quilos, com peso médio de 62 kg. As fêmeas geralmente pesam entre 29 e 64 kg, com peso médio de 42 kg. É o segundo felino mais pesado do Novo Mundo, seguindo a onça-pintada. Mas, apesar de seu tamanho, não é normalmente classificada entre os “grandes gatos”, pois não pode rugir como os leões e tigres. Faltam-lhe a laringe e osso hióide especializado, o que torna sua vocalização muito mais próxima do miado emitido por pequenos felídeos como, por exemplo, os gatos domésticos.

A coloração dos pelos é simples (daí o concolor do nome científico) variando do marrom-acinzentado mais claro ao marrom-avermelhado mais escuro, com a ponta da cauda preta, podendo também apresentar uma linha escura na extremidade dorsal no animal adulto. Em geral a pelagem é ruiva. Os filhotes (como na foto) nascem com manchas pretas, olhos azuis e anéis em suas caudas, adquirindo, quando adultos, a coloração uniforme típica da espécie.

A cabeça do gato é redonda e as orelhas eretas. Os seus quartos dianteiros, pescoço e mandíbula poderosos servem para agarrar e segurar presas grandes. As patas traseiras permitem-lhe dar grandes saltos, escalar e a capacidade de atingir grandes velocidades em curta duração: a suçuarana pode correr tão rápido quanto um automóvel, atingindo de 55 a 72 quilômetros por hora.

A suçuarana é territorial e sobrevive em regiões pouco populosas. Recluso, normalmente evita pessoas e concorrentes animais. O tamanho de seus territórios individuais depende do terreno, vegetação — prefere vegetação rasteira densa e áreas rochosas adequadas às emboscadas — e abundância de presas. Hábil predador, sua dieta inclui, principalmente, ungulados em geral, como cervos, carneiro-selvagem, gado doméstico, cavalos e ovelhas. Mas no cardápio variado ainda cabem caçar aves, roedores e lagartos. A freqüência com que matam para comer varia de um veado a cada 3 dias para as fêmeas com filhotes, e de um veado a cada 16 dias para indivíduos adultos solitários.

Na América do Sul, os nascimentos acontecem entre fevereiro e junho. O tempo de gestação é de 90 a 96 dias, ao fim dos quais nascem de um a seis filhotes. Os filhotes pesam de 200 a 400 g e apresentam pelagem pintada, que desaparece em torno dos seis meses. A maturidade sexual se dá entre dois e três anos. Para os animais silvestres, a expectativa de vida é fica entre 9 a 13 anos; no cativeiro, até 20 anos.

De acordo com o livro “Taxonomia de Wilson e Reeder” (Mammal Species of the World, no original), atualmente são reconhecidas seis subespécies, cinco das quais somente são encontradas na América Latina: Suçuarana-argentina (Puma concolor cabrerae); Suçuarana-costa-riquenha (Puma concolor costaricensis); Suçuarana-sul-americana oriental (Puma concolor anthonyi); Suçuarana-norte-americana (Puma concolor couguar); Suçuarana-sul-americana do norte (Puma concolor concolor) e Suçuarana-sul-americana do sul (Puma concolor puma).

No Brasil, as onças-pardas das antes consideradas subespécies Puma concolor capricornensis e Puma concolor greeni são consideradas Vulneráveis pela lista do ICMBio. Já para a IUCN, a espécie como um todo, é considerada como Pouco Preocupante devido à sua ampla distribuição geográfica, não obstante a queda populacional.

Apesar disso, no Brasil, a classificação do ICMBio se sustenta porque a Puma concolor encontra-se na região com maior influência antrópica (humana) do país. A ocupação da terra pela agropecuária restringiu a ocorrência dos animais aos fragmentos de vegetação original. O que configura a maior ameaça à conservação da espécie, que enfrenta a destruição de hábitat, mesmo sendo capaz de se adaptar à degradação ambiental. A caça, tanto de suas presas naturais quanto da própria espécie, também é uma grande ameaça às populações remanescentes.

 

 

Leia também
Uma estrela de nove pontas
Tudo azul: Borboleta Morpho
O polêmico sabiá-laranjeira

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta