Notícias

Após 25 anos sem Chico Mendes, Acre troca borracha por boi

Pecuária e extração de madeira disparam e Estado se afasta cada vez mais do modelo de desenvolvimento sustentável sonhado pelo sindicalista.

Daniel Santini ·
18 de dezembro de 2013 · 8 anos atrás

Há 25 anos, em 22 de dezembro de 1988, o sindicalista Chico Mendes foi assassinado a tiros na porta da sua casa, em Xapuri, no Acre. Décadas se passaram e o modelo de desenvolvimento defendido pelo seringueiro, que combinava o direito à terra com a preservação da floresta, está longe de ser realidade no Estado. Com a crise na extração da borracha, relacionada aos campos de cultivo abertos no sudeste asiático e a queda dos preços no mercado nacional, aos poucos a produção sustentável feita por moradores da floresta foi dando lugar à abertura de pastos e à derrubada de mata. Sem alternativas, muitos seringueiros migraram para cidade ou passaram a trabalhar seguindo o modelo incentivado pelo Estado. Com financiamentos públicos, os projetos de pecuária se espalharam e ajudaram o mapa a mudar de cor. 

Clique aqui para navegar no mapa, aproximar e conferir detalhes

O desmatamento acontece dentro do Estado marcando a fronteira brasileira, como é possível observar nas imagens de satélite. A partir de Rio Branco, as zonas desmatadas avançam para o interior, em um processo semelhante ao que aconteceu em Rondônia nas últimas décadas. Hoje, o verde do Acre começa a sumir mesmo Xapuri, terra em que Chico Mendes vivia quando ganhou projeção mundial por defender a floresta e os que nela viviam.

Os números referentes às últimas décadas ajudam a entender as mudanças em curso no Estado e também como, com apoio de diferentes governos, a floresta vem sendo substituída por boi.

Baixe os dados deste infográfico

 

 

 

Leia também:
Seringueiros sem futuro?
Chico Mendes é declarado patrono do meio ambiente no Brasil
A escolha de Chico Mendes

 

 

 

 

 

  • Daniel Santini

    Responsável pela plataforma ((o)) eco Data. Especialista em jornalismo internacional, foi um dos organizadores da expedição c...

Leia também

Reportagens
19 de maio de 2022

Pesquisa questiona ocorrência de Mata Atlântica no Piauí

O estudo caracterizou flora e vegetação de florestas estacionais em municípios na área de abrangência da Lei da Mata Atlântica no Piauí e concluiu que não há espécies botânicas exclusivas do Bioma

Notícias
19 de maio de 2022

Em meio à ameaça da mineração, projeto prevê criação de parque na Serra do Curral

O projeto de lei nº 1.125/22 foi apresentado às comissões da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (17) pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) para garantir a proteção da serra mineira

Reportagens
18 de maio de 2022

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe quer retomar posse do território

Indígenas estão acampados desde quinta (12) ao lado da sede do parque fluminense, em mobilização pela retomada do seu território ancestral

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Eu espero que os indígenas sejam assentados em terras degradadas do entorno, onde eles podem produzir suas roças à vontade. Infelizmente vimos muitas vezes o resultado da entrada de indígenas nas unidades de conservação do sul da Bahia e norte do Rio Grade do Sul, para no falar do litoral de São Paulo e Paraná. A extinção local dos animais de maior porte se segue rapidamente, assim como a venda de madeira. As unidades de conservação não são palco para solucionar os nosso grave problemas sociais.


  2. Israel Gomes da Silva diz:

    Se não tem apoio de partido político, quem está bancando a picanha e a bebida que a liderança está comendo todos os dias no Sahy Vilage Shopping, sendo solicitado apenas Notinhas da comida? Todos os dias um grupo de indígenas vão à praia e aí Shopping, mesmo no frio.


  3. Salvador Sá diz:

    Parabens ao Duda pela materia, me permite concluir que estamos diante de uma nova e muito grave ameaça ao q sobrou, grave pq faz uso de uma causa nobre, mas cheia de equivocos e que está enganando muita gente e não só os próprios índios. A materia fura o cerco de silencio feito pelo ambientalismo seletivo e chapa branca midiatico.