Notícias

Copa do Mundo das áreas protegidas: Suíça

A Suíça já chegou às quartas de final em 3 Copas do mundo e exibe vitoriosa dois títulos de patrimônios naturais da humanidade em seu território.

Daniele Bragança ·
20 de junho de 2014 · 7 anos atrás

Vitoriosa em sua partida de estreia na Copa do Mundo de 2014, sua décima participação na competição, a Suíça não tem um histórico satisfatório nos mundiais, embora já tenha chegado as quartas de final nas Copas de 1934, 1938 e 1954 (quando foram os anfitriões). Neste ano, a Suíça quer, no mínimo, repetir sua melhor classificação em mundiais, que foi coincidentemente em 1950, o primeiro Mundial realizado em terras tupiniquins.

Primeira em seu grupo nas Eliminatórias, a Suíça conta com uma geração equilibrada, que chegou a vencer o Brasil em seu primeiro amistoso após a conquista da Copa das Confederações de 2013. Seus principais expoentes são Xherdan Shaqiri, habilidoso meia do Bayern de Munique (ALE); Stephan Lichtsteiner, lateral direito da Juventus (ITA) e Gökhan Inler, meia do Napoli (ITA).

No campo das áreas protegidas,o principal atacante da Suiça é o Parque Nacional Suíço, o único do país. O parque preserva 17.030 hectares (ou 170,3 km²), o que equivale a 0,4% do território do país. É uma área pouco menor que o gaúcho Parque Nacional de Serra Geral, com seus 17.301,89 hectares, criado em 1992.

O Parque Nacional Suíço (Parc Naziunal Svizzer) fará 100 anos no dia 01 de agosto. É o primeiro parque nacional nos Alpes e um dos primeiros da Europa. É resultado de uma luta travada pela centenária Pro Natura (ex-Associação Suíça de Proteção à Natureza), a primeira organização ambientalista da Suíça, fundada em 1909. O Brasil demorou mais 23 anos para criar o primeiro parque: o Parque Nacional da Itatiaia, em 1937, ainda durante os anos Vargas.

O Parque Nacional Suíço foi criado para garantir que um pedaço de paisagem de montanha da Suíça se mantivesse inteiramente preservada e que qualquer alteração fosse objeto de observação e pesquisa científica. O parque protege um pedaço da paisagem alpina, com uma riqueza de flora e fauna (como camurça, veados e marmotas). Contém grande variedade de trilhas com diferentes graus de dificuldade, que no total somam 80 km. Por ser uma área de proteção integral, lá é proibida a entrada de cachorros e não há estação de esqui. Aproximadamente 150 mil pessoas visitam o parque todos os anos.

Além do parque, a Suíça mantém mais duas áreas protegidas: Alpes Suiços Jungfrau-Aletsch-Bietschhorn (de 82.400 hectares, que entrou para a lista de Patrimônio Mundial da UNESCO em 2001) e a Região tectônica de Sardona, também tombada pela Unesco em 2008, que abrange 32.850 hectares de paisagem montanhosa.

Veja abaixo algumas das figurinhas carimbadas da Suíça.

Região tectônica de Sardona
Região tectônica de Sardona

Se você quiser torcer para o Brasil neste campeonato de áreas protegidas, acesse o WikiParques e conheça mais sobre as unidades de conservação de nosso país. O WikiParques é um site interativo dedicado aos cidadãos que querem compartilhar seus conhecimentos, explorar e debater sobre nossos Parques Nacionais e áreas protegidas. Colabore para proteger.
 

Leia também
Copa do Mundo das áreas protegidas: Colômbia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Austrália
Copa do Mundo das áreas protegidas: México
Copa do Mundo das áreas protegidas: Irã
Copa do Mundo das áreas protegidas: Honduras
Copa do Mundo das áreas protegidas: Grécia
Copa do Mundo das áreas protegidas: Chile
Copa do Mundo das áreas protegidas: Croácia
Áreas protegidas do mundo em incríveis fotos 360°

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Lideranças indígenas do Pará cedem à pressão de invasores e aceitam reduzir seu território pela metade

Caciques da TI Apyterewa disseram ao STF que, em “acordo” feito com invasores, aceitam redução de 392 mil hectares de suas terras

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta