Notícias

Veste-amarela, estão a lhe roubar o guarda roupa

Não importa qual a cor da veste, o problema é onde guardá-la. Com a degradação do seu habitat, o Xanthopsar flavus está arriscada a não ter onde viver.

Redação ((o))eco ·
31 de julho de 2014 · 7 anos atrás

Uma veste-amarela ([i]Xanthopsar flavus[/i]) fêmea fotografada no Uruguai. Foto:
Uma veste-amarela ([i]Xanthopsar flavus[/i]) fêmea fotografada no Uruguai. Foto:

A veste-amarela (Xanthopsar flavus) é uma ave presente no sul do Brasil, nos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Seu habitat são os biomas da Mata Atlântica e do Pampa. Este último se estende aos nossos vizinhos, assim a espécie também ocorre no Paraguai, Uruguai e Argentina. Apesar disso da extensa distribuição, a população está em declínio: a descaracterização de seu habitats, a destruição dos ninhos por atividades agrícolas e o tráfico de animais silvestres são perigos constantes. Hoje a espécie se encontra ameaçada de extinção, classificada tanto pelo ICMBio quanto pela IUCN como uma espécie Vulnerável.

 

 

Leia Também
Sabiá-Pimenta: sobrevivência nos olhos é refresco
Tartaruga-verde: estamos de olho em você
Tuco-tuco das dunas: cuidado onde pisa

 

 

 

Leia também

Notícias
25 de janeiro de 2022

Bolsonaro corta 35 milhões do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para 2022

Veto do presidente ao orçamento aprovado pelo Congresso reduziu principalmente a verba prevista para prevenção e combate de incêndios, que sofreram corte de 17 milhões

Notícias
25 de janeiro de 2022

Moro acena ao agronegócio e critica a política de meio ambiente de Bolsonaro

Em participação ao Flow Podcast, pré-candidato defende a valorização da agropecuária e acusa o atual governo de estimular o desmatamento ilegal

Reportagens
25 de janeiro de 2022

A história de uma floresta vazia que, aos poucos, volta à vida

Como o Parque Nacional da Tijuca virou um laboratório de reintrodução de espécies extintas localmente. E como isso tem ajudado a salvar a floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Hoje temos o Parque Nacional da Serra do Itajaí (PNSI), com os seus 57 000 hectares em Santa Catarina, sem a presença da Anta/Tapir(
    Tapirus terrestris), sem a jacutinga (Aburria jacutinga), com populações na berlinda da endogamia para os porcos queixadas, caititus e cervos do gênero Mazama. Também na escassez para os demais cracídeos, tinamiformes, roedores como as paca (agouti paca), tucanos, bugios, etc…….

    Área temos.