Notícias

Por céus mais cinzentos

Apesar da proteção ofericida por várias UCs, a destruição de habitats pelas intervenções humanas ameaça apagar a águia-cinzenta dos céus brasileiros

Redação ((o))eco ·
4 de maio de 2015 · 7 anos atrás
Águia-cinzenta (Urubitinga coronata), no zoológico da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Brasil. Foto: Mateus Hidalgo/CC

A águia-cinzenta (Urubitinga coronata, Harpyhaliaetus coronatus ou Buteogallus coronatus) é uma espécie de águia campestre típica da Argentina, Bolívia, Paraguai e Brasil. Aqui, ela é encontrada nas regiões central e leste-meridional, de São Paulo, Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, nos biomas Cerrado, Caatinga e Pampa. A espécie é rara e necessita de uma grande área de vida (cerca de 500km² ou 50.000ha por indivíduo), motivos pelos quais a destruição do habitat  — pela agricultura mecanizada, criação de gado intensiva, florestação, gramíneas invasoras, o uso excessivo de pesticidas e queima anual — e a caça são ameaças devastadoras. Estima-se que a população no Brasil esteja entre 150 a 600 indivíduos maduros, e estes números tendem a diminuir. Por estas razões a águia cinzenta foi categorizada como Em Perigo (EN), pela Lista do ICMBio e pela IUCN.

A espécie encontra proteção em 21 unidades de conservação brasileiras, entre as quais estão o Parque Nacional de São Joaquim, Parque Nacional do Iguaçu, Parque Nacional da Chapada Diamantina e o Parque Nacional da Serra da Canastra.

 

 

Leia Também
Os nativos o chamavam de peixe de cabeça amarela
Um crepúsculo para o periquito do Sol
Pangolim: para sobreviver não basta armadura

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de março de 2015

Pangolim: para sobreviver não basta armadura

As escamas que cobrem este peculiar mamífero não o protegem da ganância e da glutonice humana, vícios que podem levá-lo à extinção.

Notícias
1 de abril de 2015

Um crepúsculo para o periquito do Sol

Vítima do comércio predatório de animais silvestres, as jandaias-amarelas illuminam cada vez menos as matas sulamericanas.

Notícias
10 de abril de 2015

“Os nativos o chamavam de peixe de cabeça amarela”

A piracanjuba é um peixe muito sensível à degradação ambiental. Nos últimos 30 anos a espécie foi reduzida à metade da população original.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Yan Amorim diz:

    Ainda bem que há pessoas se mobilizando para salvarem esta espécie viu. Eu sou um amante de aves de rapina e odiaria ver este animal tão belo e imponente ser mais uma vítima da idiotice e ignorância humana que só acaba com tudo.