Notícias

Soja e gado agravam desmatamento do Chaco no Paraguai

Monocultivo com uso intensivo de veneno e pecuária alteram configuração do país. Latifundiários brasileiros têm papel decisivo no processo.

Daniel Santini ·
22 de agosto de 2014 · 7 anos atrás

Enviado especial a Assunção, no Paraguai* – Composto por diferentes ecossistemas, o Chaco é um bioma que ultrapassa fronteiras e cobre largas áreas na Argentina, Bolívia e Paraguai. Apesar de ser habitat de espécies endêmicas e sua preservação ser fundamental para o equilíbrio de diferentes bacias hidrográficas, incluindo a do Rio da Prata, o Chaco está ameaçado.

A situação é alarmante e, no Paraguai, assume caráter ainda mais urgente. Impulsionado pelo avanço da soja e da pecuária em áreas até então preservadas, o desmatamento do Chaco paraguaio saiu de controle nos últimos dez anos. Para compreender melhor o problema, primeiro é preciso situar o Chaco no mapa. A área é a que fica no lado oeste do país e, além de ser estratégica em termos ambientais, tem importância histórica. Foi no Chaco que ocorreu uma das piores guerras da América do Sul no século XX, o confronto entre Paraguai e Bolívia que definiu as fronteiras dos dois países.

A região antes preservada está em plena transformação, como é possível observar no mapa desenvolvido a partir de informações reunidas por satélites pela plataforma CartoCharco (disponível somente em espanhol), abaixo reproduzido. Utilize os botões para aproximar e afastar o mapa, e observar as áreas em que o desmatamento é mais crítico. Em amarelo, estão os dados de desmatamento do sistema Terra-I, de 2004 até abril de 2014. Em roxo, estão os do sistema Guyra, de setembro de 2011 até junho de 2014. E em vermelho estão as estradas, ou carreteras, em espanhol. É só clicar nos botões para ativar ou desativar as bases de dados (clique aqui para ver o mapa em uma janela maior).

Fronteiras agrícolas

O avanço da soja e da pecuária no Paraguai estão entre os temas discutidos no seminário Agronegócio no Cone Sul – Resistências e Alternativas, encontro realizado entre 11 e 14 de agosto em Assunção, que reuniu organizações não governamentais que trabalham com temas socioambientais, além de movimentos indígenas e camponeses. A preocupação de tais grupos é crescente em relação ao avanço e consolidação de latifúndios para monocultivo de soja, que tem impulsionado a fronteira agrícola e empurrado a pecuária de corte para áreas até então preservadas.

Silos de soja no interior do Paraguai. Foto: Daniel Santini
Silos de soja no interior do Paraguai. Foto: Daniel Santini

“Desde a década de 1990 o gado avança em direção ao Chaco. O desmatamento aumentou consideravelmente”, analisa Inês Franceschelli, pesquisadora do instituto Base-IS, uma das organizações que monitora a situação. Ela ressalta que a soja tem papel de destaque neste processo e que os latifúndios ocupam cada vez mais espaço no campo nos últimos anos. A estimativa do grupo é de que as plantações de soja se espalhem por 3.157.600 hectares hoje, o que representa 58% da área total cultivada no país na safra de 2012/2013.

Voltada para exportação, a produção crescente além de pressionar o avanço da fronteira agrícola hoje ameaça também o cultivo de alimentos e contamina o solo, segundo a pesquisadora. O uso de variedades transgênicas torna necessário o uso intensivo de agrotóxicos, crescente no país. A insatisfação de pequenos agricultores com a situação foi demonstrada em 15 de agosto, durante os protestos que marcaram aniversário de um ano do governo do presidente Horacio Carter.

Manifestante exibe cartaz contra presidente Carter, considerado um aliado dos produtores de soja. Foto: Daniel Santini
Manifestante exibe cartaz contra presidente Carter, considerado um aliado dos produtores de soja. Foto: Daniel Santini

O processo de desmatamento do Chaco é semelhante ao que acontece na Amazônia, com as fronteiras agrícolas avançando sobre a vegetação. A expansão da produção é marcada por concentração fundiária, com ampla participação de latifundiários brasileiros. O estudo mais recente sobre a reconfiguração do campo no Paraguai, feito pela Base-IS em 2009, indica que pelo menos 19,4% do território hoje é controlado por estrangeiros. São 7.708.200 hectares nas mãos de quem é de fora, dos quais 4.792.528, ou 60%, são brasileiros.

* O repórter viajou a convite da Fundação Rosa Luxemburgo para participar do seminário Agronegócio no Cone Sul – Resistências e Alternativas, organizado entre 11 e 14 de agosto em Assunção, no Paraguai. O evento foi realizado em parceria com as organizações Serpaj e Base-IS.

 

 

Leia também:
Queimadas abrem espaço para soja na região do Araguaia
Unidades de conservação estão ameaçadas pela pecuária em Rondônia
Estudo mostra que redução de área protegida favorece desmatamento

 

 

 

  • Daniel Santini

    Responsável pela plataforma ((o)) eco Data. Especialista em jornalismo internacional, foi um dos organizadores da expedição c...

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.


    1. JOCEMIR VIEIRA JUNIOR diz:

      Verdade.
      E um ano e seis meses é muito pouco pra esse tipo de crime!