Notícias

Festival Filmambiente mostra protagonistas da sustentabilidade

Com exibição de 62 filmes socioambientais, evento tem mostra dedicada a pessoas que fazem a diferença mesmo em condições dificílimas

Gabriela Machado André ·
4 de setembro de 2014 · 8 anos atrás
O faxineiro Josué Lajeunesse de “A Fonte” se descobre um líder e convence pessoas sobre a causa da água no Haiti. Foto: Divulgação.

Já se foi o tempo em que a produção audiovisual ambiental era apenas sinônimo de observação de ambientes selvagens e naturais, ou, em leva mais recente, de denúncias sobre a depredação de ecossistemas e o futuro incerto da humanidade.

A tendência deste universo e que se revela nos filmes vencedores em festivais pelo mundo incluídos na quarta edição do carioca Filmambiente – Festival Internacional do Audiovisual Ambiental, que começa amanhã (4) – é que os agentes da mudança estão em alta. Os protagonistas são homens e mulheres que dedicam suas vidas a diminuir a pegada ambiental de nossa sociedade.

Serão seis mostras temáticas em que o Filmambiente dividirá seus 62 filmes – a serem exibidos em quatro pontos na Zona Sul e outros quatro na Zona Norte. Entre elas, destaco a intitulada “Senhores de seus Destinos“, que através de cinco filmes aponta para essa direção.

No documentário LO (França, 2014), por exemplo, vemos a história de Chai Lo, um cambojano simples que sobrevive a perseguições do Khmer Vermelho e à uma enfermidade grave do coração, realiza seus estudos até a pós-graduação na França, e se especializa com louvor em gestão hídrica. Mas decide voltar à sua terra natal para realizar um sonho: melhorar o sistema de água local.

O missionário John Glynn, em Papua Nova Guiné, em cena do filme “Lifers”. Foto: Divulgação.

Em A Fonte (Haiti e USA, 2012), Josué Lajeneusse, haitiano que trabalha como faxineiro em Princeton, consegue mobilizar milhares de pessoas que vivem no conforto, muito longe do Haiti, para ajudá-lo a viabilizar a distribuição de água potável em sua cidade, após o devastador furacão Sandy em 2012.

O filme Vidas (Irlanda, 2013) acompanha três missionários em diferentes partes do globo, que se dedicam ao bem comum e aos mais necessitados. Seu diretor, o irlandês Ruán Magan, deixou um testemunho sobre a inspiração que os atores reais de seu filme lhe passaram:

“Filmar Vidas foi uma viagem extraordinária que durou quatro anos (…). Buscamos em todo o mundo missionários, especialmente os que trabalhavam em locais inóspitos. Encontramos o irmão John, em Papua, Nova Guiné; a irmã Patmary, no sul do Sudão e o irmão Pash Brannan, que trabalha há quarenta anos na região amazônica do Brasil, com os indios Araras. O que nos demos conta, pelo sacrifício que estas pessoas estão dispostas a fazer, vivendo há décadas longe de casa, muitas vezes em pobreza absoluta, sem amigos ou família, vivendo em dificeis e hostis ambientes; é de que estas pessoas são anjos humanos(…) e incrivelmente generosas, outras nem tanto.”

Essas histórias mostram verdadeiros heróis voltados a arquitetar estratégias de otimização de recursos vitais a todos, e também de reabilitar o tecido social e empoderar o próximo.

Além dos filmes, o festival apresentará o painel de debate Meio Ambiente: Evolução Temática e de Abordagem nos Últimos Vinte Anos, no dia 9, que terá a mediação do colunista Agostinho Vieira, e a presença do economista e ecologista Sergio Besserman, a diretora e produtora de vídeos socioambientais Paula Saldanha, e o produtor do festival Cine’Eco, que acontece há 20 anos na Europa, Mario Branquinho.

O narrador africano do curta-metragem “Se eu Tivesse uma Vaca”, que fala sobre desenvolvimento humano. Fonte: Divulgação.

O painel será antecedido pelo curta-metragem Se eu tivesse uma Vaca (Espanha, 2013), que será uma das referências para a discussão. No curta, um africano consegue através de doações estrangeiras presentear uma vaca para cada família de seu pobre vilarejo. O animal representa ali um símbolo de produtividade e prosperidade, já que ajuda a arar a horta e fornece leite à família.

Os filmes são parte importante da produção crítica de nosso tempo. Eles mostram cidadãos que questionam uma realidade muitas vezes injusta e inerte, e decidem enfrentá-la e melhorá-la. E que bom que o cinema ambiental evolui, ao refletir os bons exemplos desses seres humanos que tornam a era da sustentabilidade socioambiental menos utópica.

Cartaz evento. | Clique na imagem para visitar a página do evento.

 

*Gabriela Machado é jornalista e coordenadora de comunicação do Filmambiente

 

 

Leia também
Água potável é ouro no Haiti pós terremoto
No Haiti, projeto de reciclagem abre janela de esperança
Haiti : a falta de horizonte em um país de destituídos

 

 

 

 

Leia também

Notícias
3 de outubro de 2022

Conheça as propostas para o meio ambiente do governador reeleito no Rio

Claudio Castro (PL) abordou timidamente o meio ambiente em seu plano de governo e afirma ter despoluído a Baía de Guanabara

Reportagens
3 de outubro de 2022

“As mudanças climáticas já estão causando desastres”, alerta Marengo aos candidatos das eleições de 2022

Ao ((o))eco, o coordenador do Cemaden fala da importância da educação e das políticas públicas para mitigarmos as mudanças climáticas

Reportagens
3 de outubro de 2022

Pesquisa mapeia impactos do turismo para fauna em parque nacional

Ao longo de sete anos, os pesquisadores monitoraram como mamíferos responderam ao movimento de turistas em trilhas no Parque Nacional Cavernas do Peruaçu

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Fernando Tatagiba diz:

    Muito bacana a matéria! Alguns destaques que considero bem relevantes nas conclusões dos pesquisadores, à luz da gestão das unidades de conservação:
    “… a maioria das espécies não foi afetada negativamente pelo turismo e mesmo que tenhamos observado algumas alterações, elas são restritas apenas a área do parque que está aberta à visitação”. De fato, a área destinada ao fluxo de visitantes representa a esmagadora minoria na área total das UC. Assim, como ressaltam os pesquisadores, “quaisquer impactos negativos sobre a biodiversidade causados ​​pelos visitantes devem ser ponderados em relação aos ganhos de conservação e gestão proporcionados pelo turismo.” Além de visitantes e condutores autorizados contribuírem para a redução de ilícitos, como a caça, o turismo com base na conservação da natureza é importante indutor de economia. Estudo mostra que cada R$1 investido no ICMBio em 2018 produziu R$ 15 em benefícios econômicos para o Brasil!
    O Brasil só tem a ganhar com a criação e o investimento na gestão das Unidades de Conservação da Natureza!