Notícias

Festival Filmambiente mostra protagonistas da sustentabilidade

Com exibição de 62 filmes socioambientais, evento tem mostra dedicada a pessoas que fazem a diferença mesmo em condições dificílimas

Gabriela Machado André ·
4 de setembro de 2014 · 7 anos atrás
O faxineiro Josué Lajeunesse de “A Fonte” se descobre um líder e convence pessoas sobre a causa da água no Haiti. Foto: Divulgação.

Já se foi o tempo em que a produção audiovisual ambiental era apenas sinônimo de observação de ambientes selvagens e naturais, ou, em leva mais recente, de denúncias sobre a depredação de ecossistemas e o futuro incerto da humanidade.

A tendência deste universo e que se revela nos filmes vencedores em festivais pelo mundo incluídos na quarta edição do carioca Filmambiente – Festival Internacional do Audiovisual Ambiental, que começa amanhã (4) – é que os agentes da mudança estão em alta. Os protagonistas são homens e mulheres que dedicam suas vidas a diminuir a pegada ambiental de nossa sociedade.

Serão seis mostras temáticas em que o Filmambiente dividirá seus 62 filmes – a serem exibidos em quatro pontos na Zona Sul e outros quatro na Zona Norte. Entre elas, destaco a intitulada “Senhores de seus Destinos“, que através de cinco filmes aponta para essa direção.

No documentário LO (França, 2014), por exemplo, vemos a história de Chai Lo, um cambojano simples que sobrevive a perseguições do Khmer Vermelho e à uma enfermidade grave do coração, realiza seus estudos até a pós-graduação na França, e se especializa com louvor em gestão hídrica. Mas decide voltar à sua terra natal para realizar um sonho: melhorar o sistema de água local.

O missionário John Glynn, em Papua Nova Guiné, em cena do filme “Lifers”. Foto: Divulgação.

Em A Fonte (Haiti e USA, 2012), Josué Lajeneusse, haitiano que trabalha como faxineiro em Princeton, consegue mobilizar milhares de pessoas que vivem no conforto, muito longe do Haiti, para ajudá-lo a viabilizar a distribuição de água potável em sua cidade, após o devastador furacão Sandy em 2012.

O filme Vidas (Irlanda, 2013) acompanha três missionários em diferentes partes do globo, que se dedicam ao bem comum e aos mais necessitados. Seu diretor, o irlandês Ruán Magan, deixou um testemunho sobre a inspiração que os atores reais de seu filme lhe passaram:

“Filmar Vidas foi uma viagem extraordinária que durou quatro anos (…). Buscamos em todo o mundo missionários, especialmente os que trabalhavam em locais inóspitos. Encontramos o irmão John, em Papua, Nova Guiné; a irmã Patmary, no sul do Sudão e o irmão Pash Brannan, que trabalha há quarenta anos na região amazônica do Brasil, com os indios Araras. O que nos demos conta, pelo sacrifício que estas pessoas estão dispostas a fazer, vivendo há décadas longe de casa, muitas vezes em pobreza absoluta, sem amigos ou família, vivendo em dificeis e hostis ambientes; é de que estas pessoas são anjos humanos(…) e incrivelmente generosas, outras nem tanto.”

Essas histórias mostram verdadeiros heróis voltados a arquitetar estratégias de otimização de recursos vitais a todos, e também de reabilitar o tecido social e empoderar o próximo.

Além dos filmes, o festival apresentará o painel de debate Meio Ambiente: Evolução Temática e de Abordagem nos Últimos Vinte Anos, no dia 9, que terá a mediação do colunista Agostinho Vieira, e a presença do economista e ecologista Sergio Besserman, a diretora e produtora de vídeos socioambientais Paula Saldanha, e o produtor do festival Cine’Eco, que acontece há 20 anos na Europa, Mario Branquinho.

O narrador africano do curta-metragem “Se eu Tivesse uma Vaca”, que fala sobre desenvolvimento humano. Fonte: Divulgação.

O painel será antecedido pelo curta-metragem Se eu tivesse uma Vaca (Espanha, 2013), que será uma das referências para a discussão. No curta, um africano consegue através de doações estrangeiras presentear uma vaca para cada família de seu pobre vilarejo. O animal representa ali um símbolo de produtividade e prosperidade, já que ajuda a arar a horta e fornece leite à família.

Os filmes são parte importante da produção crítica de nosso tempo. Eles mostram cidadãos que questionam uma realidade muitas vezes injusta e inerte, e decidem enfrentá-la e melhorá-la. E que bom que o cinema ambiental evolui, ao refletir os bons exemplos desses seres humanos que tornam a era da sustentabilidade socioambiental menos utópica.

Cartaz evento. | Clique na imagem para visitar a página do evento.

 

*Gabriela Machado é jornalista e coordenadora de comunicação do Filmambiente

 

 

Leia também
Água potável é ouro no Haiti pós terremoto
No Haiti, projeto de reciclagem abre janela de esperança
Haiti : a falta de horizonte em um país de destituídos

 

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de janeiro de 2022

Espécie de jararaca descoberta na Caatinga revela história evolutiva até então desconhecida

A descoberta da espécie B. jabrensis trouxe também uma revelação surpreendente: uma nova linhagem evolutiva, até então desconhecida pela ciência, dentro do gênero jararacas

Notícias
20 de janeiro de 2022

“Essa tese de que vamos abrir a cerca para o gado passar não será predominante no meu governo”, diz Lula

Em entrevista coletiva, pré-candidato do PT à presidência falou em meio ambiente urbano, pesticidas e defendeu o legado de construção de grandes hidrelétricas na Amazônia

Análises
20 de janeiro de 2022

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Flávia diz:

    Excelente artigo.. bem mais aprofundado do que tenho visto em outros canais que tocam no assunto de restauração. Obrigada, Veronica.