Notícias

O retorno das ararinhas bahianas

As araras-azuis-de-lear têm uma população pequena, com menos de 1000 animais. Mas o sucesso da conservação parecer mudar estes número.

Redação ((o))eco ·
6 de fevereiro de 2015 · 7 anos atrás

Araras-azuis-de-lear ([i]Anodorhynchus leari[/i])em pleno voo.  Canudos, Bahia. Foto:
Araras-azuis-de-lear ([i]Anodorhynchus leari[/i])em pleno voo. Canudos, Bahia. Foto:

A arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari) é uma espécie de arara endêmica do estado da Bahia, no Brasil. As principais ameaças para população da arara-azul-de-lear são a captura de indivíduos para o comércio ilegal de animais silvestres – que abastecem criadouros particulares no Brasil e exterior – e a destruição do seu habitat, que afeta as suas áreas de alimentação. Até 2008 a espécie era considerada pela IUCN como “Em Perigo Crítico“. A partir daí, medidas de conservação como o Programa de Conservação da Arara Azul de Lear, bem como a proteção garantida pela CITES e pelo Ministério do Meio Ambiente, contribuíram para o aumento da população – hoje estimada em 960 indivíduos – e fizeram com que classificação fosse revista em 2009 para “Em Perigo“. O risco permance, mas as chances de sobrevivência da arara-azul-de-lear são maiores.

 

 

Leia Também
Pinguins equatorianos numa fria
A baleia-franca-do-atlântico-norte e o incerto destino
Os dugongos merecem mais respeito

 

 

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta