Notícias

Polícia Ambiental resgata e prende caçadores perdidos no Pantanal

Policiais se preocuparam em garantir a integridade física dos 3 homens, mas não deixaram de dar a voz de prisão, assim que restabelecidos.

Fábio Pellegrini ·
18 de fevereiro de 2015 · 7 anos atrás

Familiares estavam desesperados, caçadores não aguentavam caminhar. Foto: PMA/MS
Familiares estavam desesperados, caçadores não aguentavam caminhar. Foto: PMA/MS

Campo Grande (MS) – Três homens que se perderam durante uma caçada entre a planície pantaneira e a Serra da Bodoquena foram resgatados por uma equipe da Polícia Militar Ambiental (PMA). O fato inusitado ocorreu no fim do mês de janeiro, em área remota de mata fechada a cerca de 60 km do município de Miranda, em Mato Grosso do Sul.

Segundo o tenente Anderson Abrão Elias, comandante da PMA de Miranda, os policiais foram procurados pela esposa de um dos homens, que já havia registrado o desaparecimento deles na delegacia de Polícia Civil. Ela disse que o marido e os companheiros haviam saído para caçar no dia 27 e não haviam retornado.

No dia seguinte à saída do trio (28), os familiares se desesperaram e mobilizaram amigos e parentes para saírem em busca deles nas proximidades da área de reserva permanente da fazenda em que um deles trabalha. Os familiares chegaram a utilizar fogos de artifício na tentativa de chamar a atenção do trio perdido. Porém, como os caçadores se embrenharam em uma área de grotas e furnas, os estouros ecoavam e os confundiam ainda mais.

Para piorar, a chuva forte, as pegadas e esturros de onças-pintadas, comuns naquela região da borda da Serra da Bodoquena, além dos temíveis queixadas, apavoraram os caçadores, que chegaram a desmanchar munições na tentativa de fazer fogo para se aquecerem e se protegerem de ataques dos animais. Sem êxito, acabaram tendo de passar duas noites em copas de árvores.

Ao receberem o chamado de socorro da esposa de um dos caçadores, os policiais iniciaram as buscas conforme indicação dela. Ao chegarem na fazenda, no dia 29, encontraram grupos de familiares e amigos e uma guarnição do Corpo de Bombeiros.

Foto: PMA/MS
Foto: PMA/MS

O tenente Anderson conta que quando a PMA foi chamada, os caçadores já estavam desaparecidos há 50 horas. “Foi um dos momentos mais marcantes de nossas vidas. Chegamos lá e havia peões de fazendas próximas, familiares chorando, bombeiros. Então pedimos para que se unissem e deixassem a gente realizar a incursão na mata, pois esses voluntários também poderiam se perder em busca do trio”.

A região não é nada convidativa para humanos: há perigo de ataques de abelhas, o terreno é acidentado e em declive, com pedras soltas na serra, e há a temível presença de animais ferozes. “Normalmente nessas situações procuramos picadas abertas, galhos cortados, batidas (pegadas). Até que, após exaustivas horas, após caminhar cerca de 9 km, os encontramos. Eles estavam muito debilitados, desorientados, assustados, desidratados, com bolhas nos pés, não conseguiam caminhar, os lábios deles estavam ressecados por tentarem beber água da roupa torcida”, relata o policial.

“Conseguimos levá-los ao encontro dos familiares, ocasionando o reencontro que muito nos emocionou. Em seguida os levamos ao pronto-socorro da cidade e após hidratação e alimentação, foram encaminhados à delegacia para os procedimentos previstos em lei”, continua ele.

Segundo informações da PMA, um deles, capataz da fazenda onde ocorreu o fato, tem 54 anos; outro tem 20 anos, e o terceiro tem 26 anos. Esses últimos trabalhavam em uma fazenda vizinha, distante 15 km do local de onde praticavam a caça.

Depois de restabelecidos, os três confessaram a prática da caça predatória. Os policiais encontraram duas espingardas calibre 36 e uma calibre 22, além de duas facas e três cartuchos deflagrados, que estavam escondidos e foram apreendidos.

Armas apreendidas não tinham porte e foram encaminhadas à Polícia Civil. Foto: PMA/MS
Armas apreendidas não tinham porte e foram encaminhadas à Polícia Civil. Foto: PMA/MS

Os infratores relataram ainda aos policiais ambientais que não haviam conseguido abater nenhum animal silvestre, mas que haviam perseguido um cateto, um queixada e atiraram em um porco monteiro, mas sem sucesso. Ao longo do período de desorientação, os homens se alimentaram de brotos de bacuris e tomando água (suor) absorvida pelos trajes.

Por fim, os policiais ambientais deram voz de prisão aos caçadores confessos, “sendo devidamente cientificados dos seus direitos constitucionais”, conforme o policial.

Os três foram então conduzidos juntamente com as armas e os cartuchos deflagrados à delegacia de Miranda, onde foram autuados em flagrante por caça predatória (artigo 29, Lei de Crimes Ambientais) e por porte ilegal de armas. Segundo a PMA, se condenados, poderão pegar de dois a quatro anos de reclusão pelo porte ilegal de armas e mais de seis meses a um ano de detenção pelo crime ambiental. Os infratores ainda receberam multa individual correspondente a R$ 1.500,00. Pagaram e agora respondem ao processo em liberdade.

 

 

Leia Também
No Pantanal, caça ajuda espécies nativas
Autorizada a caça de javali-europeu em território brasileiro
Caçadores presos em pousada no Pantanal

 

 

 

Leia também

Reportagens
26 de janeiro de 2011

Caçadores presos em pousada no Pantanal

Polícia Militar Ambiental do Mato Grosso do Sul flagra caçada em uma das mais belas fazendas da região. Responsáveis receberam multas de R$ 12,5 mil. 

Notícias
5 de fevereiro de 2013

Autorizada a caça de javali-europeu em território brasileiro

Após 2 anos e meio de proibição, Ibama volta atrás e regulamenta caça  da espécie exótica, considerada uma praga à biodiversidade do país.

Reportagens
24 de fevereiro de 2011

No Pantanal, caça ajuda espécies nativas

Estudo relata que tradição da caça do porco-monteiro praticada por pantaneiros colabora com a conservação do ambiente. Legalização da caça continua polêmica.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta