Notícias

Acontece nos Parques: Peixes à vista!

Mais de duzentas espécies de peixes catalogadas no Espírito Santo, tartarugas resgatadas em Roraima e Brotas é o destino da aventura. Muito acontece nos parques.

Redação ((o))eco ·
12 de março de 2015 · 7 anos atrás

[i]Cephalopholis furcifer[/i]. Crédito:
[i]Cephalopholis furcifer[/i]. Crédito:

Após quase 20 anos de pesquisas na cadeia de montanhas submarinas Vitória-Trindade, cientistas brasileiros completam levantamento de peixes. Foram registrados números impressionantes: 211 espécies de peixes no topo das 10 principais montanhas submarinas e outras 173 espécies no entorno das ilhas. Das 384 espécies catalogadas, 191 são registros inéditos para a região. O resultado e conclusões desse enorme esforço foi um estudo publicado na semana passada no site da revista científica PLoS ONE. Os pesquisadores propuseram a criação de uma Reserva da Biosfera Marinha na Cadeia Vitória-Trindade junto à UNESCO e, ao Ministério do Meio Ambiente, a criação de unidades de conservação. A área é ameaçada pela mineração e pela pesca excessiva nos montes submarinos e nas ilhas, o que põe em risco de extinção várias espécies de peixes.

 

Fonte: Conservação International – Brasil

 

E também

 

 

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta