Notícias

Amazônia perdeu área equivalente a duas vezes a cidade de Porto Alegre em maio

Alertas de desmatamento no período chegaram a 900 km², segundo números atualizados pelo INPE nesta sexta-feira. É o segundo pior número da série histórica

Cristiane Prizibisczki ·
10 de junho de 2022

A motosserra não deu trégua na Amazônia durante o mês de maio. No período, o Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou alertas de desmatamento para 900 km² de floresta, área equivalente a duas vezes o tamanho da cidade de Porto Alegre. 

Este é o segundo pior maio da série histórica do Instituto, só perdendo para 2021, quando foram computados 1.390 km² em alerta. Os números foram atualizados nesta sexta-feira (10).

De janeiro a maio, a Amazônia já perdeu 2.778 km² de vegetação, número 9% maior do que o mesmo período do ano passado e o pior desde 2016. A cifra já representa 21% de tudo o que foi desmatado durante o ano de 2021, quando 13.038 km²  (taxa consolidada) de florestas foram ao chão. E o período mais crítico da estiagem na Amazônia, quando o problema do desmatamento se intensifica, ainda nem começou.

Segundo o INPE, o Amazonas foi o estado com maior número de alertas (298 km²), seguido pelo Pará (272 km²), Rondônia (149 km²) e Mato Grosso (147 km²). 

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Notícias
6 de junho de 2022

Desmatamento acumulado em 2022 na Amazônia é o maior em sete anos

Análise realizada pelo INPE sobre os números de maio ainda está incompleta, mas a área sob alertas nos primeiros cinco meses do ano já mostra alta na destruição

Notícias
24 de maio de 2022

Conservar 80% da Amazônia custa três vezes menos do que valor gasto com emendas parlamentares

Governo Bolsonaro gastou, em média, 34,8 bilhões/ano com emendas. Manter protegida uma área de 3,5 milhões de km² custaria cerca de R$ 10,8 bi/ano, mostra estudo

Notícias
23 de maio de 2022

Projeto militar para Amazônia quer fim de restrições em áreas de interesse do agro e da mineração

Chamado de “Projeto de Nação”, plano foi anunciado na última semana por três institutos militares. Proposta para Amazônia repete o “ocupar e integrar” dos anos 1970

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Santiago diz:

    Que mentira, essa foto é antiga!

    Até parece que em menos de 30 dias esses matos caídos no chão estaria seco dessa maneira..

    Mentira para bestas que acreditam…