Notícias

COP 26 – Brasil ignora compra de gado de área desmatada e apresenta JBS como caso de sucesso

Empresa teve pior resultado no controle de fornecedores no Pará, segundo MPF. Quase 1/3 do total comercializado pela JBS nos últimos anos no estado estava irregular

Cristiane Prizibisczki ·
3 de novembro de 2021

A gigante da indústria da carne JBS foi apresentada pelo governo brasileiro nesta quarta-feira (3), durante a Conferência do Clima da ONU, como um caso de sucesso em descarbonização no setor de proteína animal. A propaganda contraria o resultado das auditorias feitas pelo Ministério Público Federal no Pará, que colocam a empresa no topo do ranking dos frigoríficos no estado que mantêm relações com fornecedores ligados ao desmatamento ilegal na Amazônia. O desmatamento é o maior responsável pelas emissões de carbono do Brasil.

O evento, intitulado “Oportunidades para a pecuária brasileira na agenda global de descarbonização”, foi realizado no pavilhão brasileiro da Conferência do Clima e contou com a presença do Secretário Adjunto de Clima e Relações Internacionais do Brasil, Marcelo Freire, do CEO Global da JBS, Gilberto Tomazoni, e do presidente da Embrapa, Celso Moretti.

Em sua fala de apresentação, o Secretário Adjunto afirmou que os casos apresentados pelo país na COP são uma oportunidade de mostrar ao mundo que o Brasil já é uma economia verde e de baixo carbono. “Vamos demonstrar o quanto a pecuária brasileira já é hoje uma pecuária de excelência, baseada nas melhores técnicas e metodologias”, disse.

A última auditoria realizada pelo Ministério Público Federal do Pará para verificar o cumprimento do TAC (Termo de Ajuste de Conduta) da Carne mostrou que, entre 2018 e 2019, a JBS foi a signatária que mais comprou gado vindo de áreas no estado com alguma inconformidade, como desmatamento ilegal ou Cadastro Ambiental Rural (CAR) irregular.

O TAC da Carne, proposto em 2009 pelo MPF e atualmente assinado por 42 frigoríficos paraenses, proíbe os signatários de comprar gado de áreas desmatadas ilegalmente ou embargadas pelo Ibama a partir de agosto de 2008. Também estão proibidas compras de gado proveniente de áreas invadidas em terras indígenas, unidades de conservação e de empregadores na lista de trabalho escravo.

Segundo o MPF-PA, quase um terço (32%) do total de animais adquiridos pela JBS no Pará entre janeiro de 2018 e junho de 2019 – período analisado na última auditoria – continha evidências de irregularidades: foram mais de 300 mil cabeças de gado nessas condições, sendo que 285 mil provinham de imóveis com registro de desmatamento ilegal.

O índice representou uma alta em relação às auditorias anteriores. Em 2019, o índice de irregularidades da empresa foi de 8,3% e, em 2018, de 19,1%. Após a apresentação dos dados do MPF-PA, realizados no início de outubro, a empresa se comprometeu a duplicar seu sistema de auditoria dos fornecedores e destinar R$ 5 milhões ao governo paraense para melhorias dos sistemas.

Atualmente, a pecuária no Brasil representa 13 % dos negócios mundiais da JBS, empresa cujo faturamento chegou a US$ 57 bilhões nos últimos 12 meses, conforme detalhou o CEO do frigorífico.

“Case de sucesso”

Durante sua apresentação na COP 26, Gilberto Tomazoni, CEO da JBS, anunciou que a empresa tem como metas zerar emissões de CO2 até 2040 e monitorar 100% de toda sua cadeia de produção – o que inclui fornecedores de gado diretos e indiretos – até 2025.

O monitoramento dos fornecedores indiretos, no entanto, será feito de forma voluntária. “Os próprios fazendeiros serão responsáveis por monitorar seus fornecedores”, disse.

Além disso, como estratégia de descarbonização, o frigorífico anunciou a parceria com dois projetos internacionais que buscam reduzir o metano emitido pelo gado a partir da implementação de dieta que contenha capim-limão e tanino.

O uso de ervas, principalmente capim-limão, para redução de gases em bovinos foi objeto de pesquisa realizada em 2020 pela Universidade Autônoma do Estado do México, a pedido da empresa Burguer King. Os dados apresentados no estudo – e a forma como eles estão sendo usados por empresas ligadas à pecuária – têm sido questionados por pesquisadores.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
7 de outubro de 2021

32% do gado adquirido pela JBS no Pará vem de área com desmatamento ilegal, diz MPF

Empresa discorda dos critérios usados pelo MPF e garante que inconformidade foi bem menor. Frigorífico se comprometeu a investir R$ 5 milhões na melhoria de processos

Reportagens
1 de outubro de 2021

JBS é investigada por suposta compra de gado proveniente de área com desmatamento ilegal

Empresa nega que tenha violado Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) da Pecuária assinado com MPF. Investigação segue aberta na Procuradoria da República do Pará

Análises
4 de outubro de 2021

Cadê a floresta que estava aqui? (O gado comeu)

Na região da Amazônia que virou fonte de carbono e pôs a ciência em pânico, rodamos pelas estradas em busca de algum mato para contar a história

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta