Notícias

Em Bonn, indígenas pedem boicote a commodities brasileiras

Organizações recomendarão a europeus que não comprem produtos vindos de áreas de conflito fundiário

Observatório do Clima ·
23 de junho de 2019 · 3 anos atrás
Sônia Guajajara fala em Bonn. Foto: Claudio Angelo/OC.

DO OC, EM BONN – Indígenas brasileiros pedirão à Comissão Europeia e a investidores que boicotem commodities brasileiras produzidas em áreas de conflito fundiário, como terras indígenas invadidas. O recado foi dado nesta sexta-feira (21) em Bonn pela líder indígena Sônia Bone Guajajara.

A coordenadora da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) deu uma entrevista coletiva nesta manhã ao fim da primeira semana de negociações técnicas preparatórias para a COP25, a conferência do clima do Chile.

Os indígenas visitarão empresas consumidoras de produtos agrícolas brasileiros em cinco países e farão reuniões no Parlamento Europeu. “Vamos exigir o respeito a direitos ambientais e direitos humanos e conscientizar as pessoas sobre de onde vêm os produtos”, afirmou Bone.

As visitas são parte de uma estratégia de incidência econômica reforçada neste ano depois de o governo Bolsonaro ter cortado todos os canais de diálogo com os indígenas, fatiado a Funai e entregue a demarcação de terras para a banda podre do ruralismo – o que ele fez de novo nesta semana.

A Apib foi cossignatária da carta de 107 cientistas europeus em abril pedindo à União Europeia que condicionasse qualquer acordo comercial com o Mercosul ao cumprimento de uma série de salvaguardas socioambientais. No mês seguinte, o advogado da Apib Luiz Henrique Eloy, do povo terena, sentou-se na assembleia de acionistas da BlackRock, a maior gestora de investimentos do mundo, para pedir boicote a commodities produzidas em terra indígena.

Um relatório lançado pelos indígenas em abril mostrou que dezenas de empresas estrangeiras, entre bancos, madeireiras e fabricantes de acessórios, financiaram a devastação da Amazônia ou compraram produtos de propriedades multadas pelo Ibama por desmatamento ilegal, inclusive em terra indígena.

Somente quando incidirmos sobre a economia o governo vai começar a se preocupar”, disse Sônia Guajajara.

Ela também criticou duramente as políticas socioambientais de Bolsonaro, em especial a nova Medida Provisória que altera a competência sobre demarcação de terras indígenas e – mais uma vez – a põe nas mãos do Ministério da Agricultura.

“Bolsonaro se coloca contra a Constituição Federal e o Congresso, porque ignorou a regra que proíbe a reedição de uma Medida Provisória com o mesmo objeto [após derrota de uma MP no Congresso, o que foi o caso com a das terras indígenas]. “Por mais que ele diga que não é um ditador, as atitudes estão mostrando isso.”

 

logo Republicado do Observatório do Clima através de parceria de conteúdo.

 

 

Leia Também 

Bolsonaro desvia Brasil de ação climática, diz análise internacional

Reunião preparatória para COP25 começa sob alerta de emergência climática

Funai e demarcação de terras indígenas voltam para o Ministério da Justiça

 

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Salada Verde
9 de maio de 2019

Funai e demarcação de terras indígenas voltam para o Ministério da Justiça

Oposição e Centrão derrotam governo e modificam medida provisória que reorganizou os órgãos do Executivo. A proposta ainda precisa passar pelos plenários da Câmara e Senado

Reportagens
18 de junho de 2019

Reunião preparatória para COP25 começa sob alerta de emergência climática

Principal tarefa de negociadores é finalizar discussão sobre mercados de carbono, que o Brasil bloqueou em 2018

Notícias
19 de junho de 2019

Bolsonaro desvia Brasil de ação climática, diz análise internacional

Principal monitor de políticas de clima do mundo vê paralisação do progresso em redução global de emissões e diz que próximos 12 meses serão determinantes para o Acordo de Paris

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Pedro diz: