Notícias

Este pedaço do paraíso é, na real, o lugar mais arriscado do mundo

O arquipélago de Vanuatu recebe o título pelo quarto ano consecutivo, em razão da sua vulnerabilidade a eventos climáticos extremos

Observatório do Clima ·
27 de abril de 2016 · 6 anos atrás
Ilhas de Vanuatu, na Melanésia: perto demais do oceano. Foto: Air Vanuatu

O paradisíaco Vanuatu, um arquipélago melanésio de 12 mil quilômetros quadrados com praias de areia branca e mar azul-turquesa, acaba de ser eleito o lugar mais arriscado do mundo para viver – pelo quarto ano consecutivo. A indicação foi da organização alemã Aliança para o Desenvolvimento e da Universidade das Nações Unidas, que publicou nesta semana o Relatório Mundial de Risco 2015. Mas a cortesia é da mudança climática.

Vanuatu ficou na primeira posição entre os países mais expostos e mais vulneráveis a desastres naturais no Índice Mundial de Risco, divulgado desde 2011. Dos dez primeiros colocados, três são nações insulares do Pacífico (além de Vanuatu, Tonga e Ilhas Salomão). O índice mede a exposição dos países a eventos extremos como inundações, terremotos, secas, tempestades e aumento do nível do mar, por um lado, e a capacidade de resposta e adaptação de cada um, do outro.

A combinação entre alta vulnerabilidade natural e pobreza faz com que, em Vanuatu e em outros países em desenvolvimento, eventos climáticos extremos se transformem em desastres naturais. Também estão na lista, entre as dez primeiras posições, as Filipinas, Bangladesh, a Costa Rica, Timor Leste e a Guatemala.

O único país desenvolvido na lista dos 20 com maior risco de desastres é o Japão (17a posição). O país tem alto grau de exposição a desastres geológicos como terremotos, mas baixíssima vulnerabilidade e muita capacidade de resposta – como se viu em 2011, quando o país foi vitimado pelo pior terremoto da história e se reconstruiu em pouco tempo.

No caso das nações insulares do Pacífico, a mudança climática é o principal fator adicional de exposição. Esses países ficam próximos do nível do mar, e a elevação dos oceanos por conta do aumento das temperaturas – que derrete geleiras e faz o próprio oceano se expandir – aumenta a frequência de inundações fortes, principalmente durante ressacas. Foi o que aconteceu em 2015, quando Vanuatu, Tuvalu e outros países-ilhas foram atingidos pelo ciclone Pam, uma tempestade de categoria 5 que matou pelo menos 15 pessoas e deixou US$ 360 milhões em prejuízos.

O Brasil foi um dos países que melhoraram no índice entre 2014 e 2015. O país subiu cinco posições no indicador de vulnerabilidade, graças à melhora na capacidade de adaptação – que o relatório atribui a um aumento nos gastos com saúde e uma redução na taxa de analfabetismo. O país passou de “vulnerabilidade média” para “vulnerabilidade baixa”.

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo. logo-observatorio-clima

 

 

Leia também

Mudança do clima põe US$2,5 trilhões em risco

Aquecimento reduzirá oferta de energia

 

 

 

 

 

  • Observatório do Clima

    O Observatório do Clima é uma coalizão de organizações da sociedade civil brasileira criada para discutir mudanças climáticas

Leia também

Notícias
5 de janeiro de 2016

Aquecimento reduzirá oferta de energia

Estudo global com 26 mil usinas mostra que mais de 60% das hidrelétricas e 80% das termelétricas poderão ter restrições de operação por falta d’água e perda de capacidade útil entre 2040 e 2069

Reportagens
7 de abril de 2016

Mudança do clima põe US$2,5 trilhões em risco

Eventos climáticos extremos e perda de produtividade são as principais causas para a perda econômica, de 1,8% da economia global.

Reportagens
17 de maio de 2022

Amazônia tem mais de 425 mil famílias sem energia elétrica

Brasil avança na universalização da energia, mas população de áreas remotas da Amazônia ainda demandam acesso à eletricidade. Pandemia atrasou cronograma

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta