Notícias

Estradas transformam a Terra em um planeta de retalhos

Ainda existe muita área livre dos impactos diretos das rodovias, mas a grande maioria são fragmentos bem pequenos.

Vandré Fonseca ·
15 de dezembro de 2016 · 5 anos atrás
Abertura de estrada catalisa uma pressão sobre a floresta que vai de desmatamento à chegada de espécies invasoras. Foto: Divulgação.
Abertura de estrada catalisa uma pressão sobre a floresta que vai de desmatamento à chegada de espécies invasoras. Foto: Divulgação.

Manaus, AM — Apenas 7% das áreas livres do impacto direto de rodovias em todo o mundo possuem mais de 100 quilômetros quadrados. Cerca de metade delas são bem pequenas, não chegam a 1 quilômetro quadrado de área. Os dados foram obtidos por pesquisadores a partir de bancos de dados do OpenStreepMap e também do gRoads e publicados nesta quinta-feira na revista Science.

“Estradas são um dos maiores promotores de degradação ambiental (e por vezes também de degradação da qualidade de vida de populações tradicionais) e uma vez construídas é praticamente impossível frear esse processo”, afirma a bióloga brasileira Mariana Vale, que colaborou com o estudo.

De acordo com a publicação, 80% da superfície não inundada da Terra estão livres dos impactos diretos, ou seja, estão a mais de 1 quilômetro de distância de rodovias. Porém, as estradas provocam uma grande fragmentação. Em todo o mundo, a malha rodoviária resultou em aproximadamente 600 mil polígonos de áreas. Metade delas com menos de 5 quilômetros quadrados.

Atropelamentos, chegada de espécies invasoras, fragmentação do ambiente — com a segregação de populações de plantas e animais –, e poluição são impactos negativos associados diretamente às rodovias. Mas a pesquisadora brasileira destaca que os efeitos indiretos podem ser mais devastadores do que os diretos. Ela cita, como exemplo, que 95% do desmatamento na Amazônia ocorre em uma faixa de 5 quilômetros da estrada.

“A abertura de estradas, sobretudo em florestas tropicais, catalisa um processo de colonização espontânea e desordenada, aumentando enormemente a pressão de caça e dando início a um intenso processo de desmatamento, afetando negativamente uma quantidade infinitamente maior de espécies e processos ecossistêmicos do que os afetados pelo efeito direto de estradas”, afirma a pesquisadora.

Em nível global, os biomas menos afetados pelas estradas são justamente aqueles com menor biodiversidade, como a tundra. As exceções são as florestas tropicais da Amazônia, Congo e Sudeste Asiático, que possuem grandes áreas livres de rodovias.

estrada
Atropelamento de fauna é um dos efeitos colaterais da abertura de estradas em área de floresta. Foto: Divulgação.

Os pesquisadores alertam ainda que as áreas livres de estradas continuam vulneráveis, com pouca proteção, e chamam a atenção para o risco de degradação que elas correm, caso não sejam protegidas. A criação de Unidades de Conservação é um caminho apontado para frear os impactos das estradas sobre a Amazônia e outros grandes blocos de floresta do mundo, priorizando as regiões ao longo de vias já existentes em vez de áreas remotas, com menos possibilidade de serem desmatadas.

Mariana Vale lembra que a Amazônia, que ainda possuem extensas áreas contínuas de floresta, é cortada por grandes rodovias, que estão entre as mais destrutivas ambientalmente do mundo. “A primeira recomendação é sem dúvida limitar drasticamente a abertura de novas estradas na Amazônia, assim como a pavimentação de estradas já abandonadas”, afirma. “Os investimentos devem focar em estradas e regiões já bem estabelecidas, que precisam de investimentos para melhorar seus baixos índices de desenvolvimento humano.”

 

Saiba Mais

Artigo: A global map of roadless areas and their conservation status

 

Leia Também 

Estudo reforça ligação entre estradas e desmatamento na Amazônia

Veja o que ocorre quando uma estrada corta uma área protegida

Novas estradas põem em risco o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

 

Leia também

Colunas
26 de julho de 2016

Novas estradas põem em risco o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses

O asfalto vai chegar mais perto e, para que não cause grandes estragos, é preciso de medidas que garantam o turismo sustentável, em vez de mais invasões

Notícias
23 de agosto de 2015

Veja o que ocorre quando uma estrada corta uma área protegida

Em vídeo, analista ambiental relata os impactos da BR-101 sobre a fauna da Reserva Biológica de Sooretama: média de 3 atropelamentos por dia.

Notícias
13 de agosto de 2014

Estudo reforça ligação entre estradas e desmatamento na Amazônia

Rodovias abrem caminho para o desmatamento, para cada 1 quilômetro novo de estradas oficiais surgem outros 3 quilômetros de vias clandestinas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Sousa Santos diz:

    E criminosa a ideia de que abrir estradas é parte do progresso


    1. "Abrir estradas" te trouxe seu laptop, mérmão!


  2. paulo diz:

    A MATANÇA CONTINUA, e as autoridades dormem zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz……………