Notícias

Não somos diferentes das espécies que já estão ameaçadas pelas mudanças climáticas, diz Paulo Saldiva

O médico e pesquisador é co-autor de estudo sobre crise climática e saúde nas Américas, lançado na última semana

Cristiane Prizibisczki ·
18 de março de 2022

Além dos riscos diretos à saúde trazidos pelas mudanças no clima, como aumento do número de mortes em eventos climáticos extremos, o continente americano pode esperar uma escalada na quantidade de acometidos por doenças renais, cardíacas, cardiovasculares, por pneumonia, diabetes e câncer de pulmão. Também são esperados mais casos de doenças neurocomportamentais, como depressão, ansiedade, hiperatividade e déficit de atenção, entre outras.

Esse cenário nada animador é descrito em um estudo sobre mudanças climáticas e saúde nas Américas, lançado na última semana pela Rede InterAmericana de Academias de Ciência (IANAS).

Diferente do relatório sobre o mesmo tema lançado em outubro de 2021 pela Organização das Nações Unidas, o trabalho do IANAS se dedica somente às Américas, trazendo muito mais informações sobre os impactos na saúde que a crise climática trará à população deste lado do mundo.

Em um cenário de aumento de 2°C, por exemplo, entre 10 e 40 milhões de pessoas vão sofrer com desnutrição, devido à redução de terras destinadas à agricultura, muitas delas na região amazônica, segundo o relatório. 

Somente nos Estados Unidos, as mortes relacionadas ao calor podem passar dos 12 mil anuais para 97 mil/ano, no cenário de maiores emissões. Também são esperados mais problemas renais, devido ao calor e desidratação. No Brasil, as internações por doenças renais crônicas já superam os 75 mil/ano.

O aumento da temperatura também vai criar novos ambientes de vida para vetores de doenças tropicais, alerta o documento.

“Todas as doenças transmitidas por vetores, dengue, chikungunya, estão aumentando porque chove muito, tem ondas de calor, a eclosão dos ovos fica mais eficiente e vetores que só existiam em regiões tropicais e subtropicais começam a atingir as regiões temperadas”,  explicou a ((o))eco o professor de medicina da Universidade de São Paulo (USP) Paulo Saldiva. O pesquisador, que é membro da Academia Brasileira de Ciências (ABC), colaborou com a produção do estudo da IANAS.

Segundo o documento, se conseguirmos limitar o aumento da temperatura em 2°C, será possível evitar 2,8 milhões de novos casos de dengue na América Latina por ano. Se os esforços conseguirem manter o aumento em 1,5°C, 3,3 milhões de casos da doença serão evitados todos os anos até o final do século.

A poluição ambiental, responsável direta pelo agravamento das mudanças no clima, já provoca cerca de 7 milhões de mortes no mundo todos os anos, sendo 206 mil no continente americano, segundo estimativas conservadoras. No Brasil, o número estimado de mortes causadas pela poluição do ar chega a 150 mil por ano.

“O que tentamos fazer foi uma ponte mais evidente entre a saúde humana e as alterações climáticas. Procuramos mostrar que os impactos já são sentidos na saúde de forma bastante nítida e vão se acentuar”, explicou o médico da USP. 

“A principal mensagem do estudo é que o custo de abater as emissões é muito menor do que se elas forem mantidas nos níveis que estão. Na verdade, o corte de poluentes traz lucros. Não existe nenhuma justificativa moral [para manter emissões nos patamares atuais] porque você está induzindo o sofrimento dos segmentos mais pobres da população, e ao menos tempo está perdendo dinheiro”, diz.

Além do detalhamento dos impactos que serão sentidos na saúde dos habitantes das Américas, o estudo também reúne soluções para mitigar os efeitos da crise no clima. 

Por exemplo, para reduzir o risco de morte por calor, o documento sugere medidas como instalação de sistemas de alerta de calor, acesso equitativo a estações de refrigeração, além de mudanças estruturais, como infraestrutura verde, arborização urbana e isolamento térmico em prédios e casas, entre outros.

O relatório ressalta a importância da adoção de medidas de mitigação e adaptação, haja visto que parte significativa dos habitantes das Américas vive em situação de vulnerabilidade socioeconômica e ambiental e serão eles os mais impactados pelas mudanças climáticas. 

Ele também alerta que é preciso investir na produção de pesquisa na América Central e Latina, já que a maioria dos estudos se concentra nos países norte-americanos, principalmente os Estados Unidos.

“No fundo, o que estamos propondo é que não somos diferentes das espécies que já são ameaçadas pelas mudanças climáticas”, finaliza Saldiva.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
23 de novembro de 2005

Termômetro vegetal

Durante “aula ao ar livre” no parque Ibirapuera, professor Paulo Saldiva mostrou como as plantas reagem à poluição do ar. A medição é simples e eficaz

Reportagens
20 de janeiro de 2006

Veneno de verão

Não é só no inverno que a poluição ataca a saúde das pessoas e do meio ambiente. Nestes dias quentes e ensolarados, quem sai às ruas de São Paulo respira ozônio.

Salada Verde
27 de agosto de 2020

Bronquites, asma, insuficiência cardíaca: o impacto das queimadas na saúde humana

Cinzas comprometem a saúde de milhares de brasileiros. Segundo relatório, 2.195 internações hospitalares por doenças respiratórias ocorridas em 2019 são atribuíveis às queimadas 

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Endrew Freitas diz:

    Alguns dos cursos vai ser online? Pois sou de fora do Estado é tenho interesse em participar de forma remota.