Notícias

Projeto quer frear avanço da soja no Pantanal em MS

Proposta quer proibir novos plantios de soja e outras monoculturas para proteger bioma de ameaças como a perda de habitat e contaminação da água

Michael Esquer ·
22 de março de 2023

Proibir a expansão e a abertura de novas áreas para monocultura no Pantanal sul-mato-grossense. Esse é objetivo de um projeto de lei (PL) apresentado nesta terça-feira (21) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS). Entre outras coisas, a matéria quer proteger o bioma, assim como sua fauna, flora e recursos hídricos, de ameaças como a perda de habitat, aumento da poluição das águas e degradação dos solos. 

“Além do manejo da terra, do desmatamento, o plantio da soja acaba tendo que utilizar agrotóxicos e isso pode, no período das cheias, ser transportado pela água e causar um estrago muito grande pra biodiversidade do Pantanal”, conta a ((o))eco o deputado Pedro Kemp (PT-MS), ao explicar que a matéria é fruto da preocupação com o avanço das monoculturas sobre o bioma. 

Kemp propôs o PL nº 69/2023 em homenagem ao colega de partido Amarildo Cruz (PT-MS), autor do projeto, que faleceu na última sexta-feira (17), antes de protocolá-la.

O projeto, que deixa claro que a proibição prevista não deve se aplicar às atividades de subsistência das comunidades tradicionais, também busca: delimitar e proteger áreas prioritárias para conservação e recuperação de ecossistemas no bioma; incentivar a implantação de sistemas agroflorestais; e promover pesquisas científicas voltadas à conservação e manejo sustentável. 

“Os órgãos ambientais estaduais competentes deverão intensificar a fiscalização e o monitoramento das atividades potencialmente impactantes ao bioma, autuando e aplicando penalidades previstas na legislação estadual aos infratores”, diz a matéria, que ainda quer estimular o ecoturismo e turismo sustentável e promover a criação de programas de educação ambiental e de capacitação para a população local. 

O PL, que segue agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), deve enfrentar resistência de parlamentares da bancada ruralista e de produtores rurais que já possuem lavouras de soja, ou ainda de outros tipos, no bioma, conta Kemp. “Nós estamos esperando que haja reação, [mas] vamos abrir um debate para […] mostrar que é uma questão de responsabilidade com o nosso patrimônio, que é o Pantanal, mas também com as futuras gerações”, afirma o parlamentar. 

Monocultura no Pantanal 

No bioma pantaneiro, o avanço das lavouras temporárias saltou de 4,1 mil hectares (ha) em 1985 para 17,3 mil ha em 2021, um número quatro vezes maior. Os números são do levantamento de Uso e Cobertura do MapBiomas. Desse total, 605 ha são de soja identificados visualmente em duas regiões ao leste do bioma, conforme informou a ((o))eco a equipe da rede colaborativa que monitora o Pantanal. Já ao norte, estão as áreas de cana e outros tipos de lavouras temporárias.

Como mostrou ((o))eco, a chegada da soja tem ampliado pressões sobre o bioma. No ano passado, por exemplo, a partir de sobrevoos de ONGs e imagens de satélites, lavouras foram detectadas em Coxim, Aquidauana e Miranda, entre as porções alagáveis e altas da bacia pantaneira. 

Se aprovada a proibição de monoculturas na porção sul-mato-grossense do Pantanal, o bioma como um todo passará a ter o plantio de soja proibido. Isso porque em Mato Grosso, o plantio de culturas de larga escala, como a cana e soja, já está proibido conforme determina a Lei nº 8.830/2008 – também conhecida como a Lei do Pantanal do estado. 

Para organizações ambientalistas, a matéria representa um passo importante em direção ao desenvolvimento sustentável do bioma. “Projetos como esse são necessários […] para garantir a proteção e o desenvolvimento do Pantanal”, disse o Instituto SOS Pantanal. 

  • Michael Esquer

    Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
26 de maio de 2021

Pantanal não tem lavouras, mas veneno da soja chega pelos rios e ameaça bioma

Com apenas 0,01% de sua área utilizada para produzir a commodity, o Pantanal está vulnerável justamente pela condição que o faz único: as águas que o inundam anualmente carregam consigo resíduos dos agrotóxicos da região que mais usa pesticidas no Brasil

Reportagens
11 de novembro de 2022

Berço de nascentes do Pantanal perdeu quase metade das áreas naturais

Levantamento do MapBiomas aponta que beiras de rios e nascentes no planalto da Bacia do Alto Paraguai tiveram 43% da área antropizada até 2021. Cenário pode impactar água que chega no bioma

Reportagens
19 de julho de 2022

Chegada da soja amplia pressões sobre o Pantanal

Novas tecnologias de produção, mudanças climáticas e ambientais podem favorecer o avanço das lavouras, que hoje ocupam ao menos 600 hectares

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.