Notícias

Unirio abre o primeiro Mestrado em Ecoturismo e Conservação do país

A Universidade também criará um Centro de Pesquisas em Turismo e Conservação. Objetivo é capacitar quem trabalha ou pretende trabalhar em áreas protegidas

Daniele Bragança ·
27 de janeiro de 2016 · 6 anos atrás
Curso tem como foco o turismo em áreas protegidas. Acima, uma pegada amarela marca o caminho de uma trilha no Parque Nacional da Tijuca. Foto: Arquivo.
Curso tem como foco o turismo em áreas protegidas. Acima, uma pegada amarela marca o caminho de uma trilha no Parque Nacional da Tijuca. Foto: Arquivo.

O visitação de unidades de conservação ganhou um reforço da Academia. A Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) conseguiu, no final do ano passado, a aprovação da Capes para lançar o primeiro curso de Mestrado em Ecoturismo com foco em áreas protegidas do país. A Universidade também inaugurará, dentro de seu campi na Urca, um Centro de Pesquisas em Turismo e Conservação (CPEC).

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (Faperj) é responsável pelo financiamento do Centro de Pesquisas. Parte dos R$ 185 mil aprovados será utilizado para a reforma e adequação de um antigo galpão de obras a ser transformado em escritórios e laboratórios. O dinheiro também será utilizado para o custeio de aulas de campo dos alunos de pós-graduação, na formação do primeiro grupo de pesquisas do Centro e para ser usado em um convênio internacional de cooperação técnica e científica entre a Unirio e a Universidade da Sunshine Coast, na Austrália, para intercâmbio de alunos, professores e de conhecimento que permitirão somar as experiências dos dois países.

“O objetivo é que esse Centro de Pesquisas seja um local onde as pessoas possam se encontrar, formar redes de colaboração, discutir ideias, aprofundar discussões e propor soluções para os desafios relativos à sustentabilidade das áreas protegidas, das culturas tradicionais e do ecoturismo”, afirma a profa. Dra Laura Sinay, do Departamento de Ciências do Ambiente do IBIO/UNIRIO, idealizadora e coordenadora do curso e do CPEC.

Em entrevista a ((o))eco, a Dra. Sinay afirma que o curso vem suprir uma carência detectada há muito tempo: a má formação de técnicos que trabalham em áreas protegidas.

“Para cada professor esse curso surgiu de uma maneira diferente. Pra mim, a necessidade desse curso surgiu há pelo menos 15 anos, quando comecei a fazer meu trabalho de campo na Reserva Ecológica de Juatinga. Lá, eu percebi que os técnicos que cuidavam da unidade na época não tinham o conhecimento necessário para fazer uma boa gestão. Então a gente se via o tempo todo em discussões, que, a meu ver, poderiam ser muito melhor aproveitadas se esses técnicos tivessem uma melhor formação para o tipo de trabalho que eles estavam desenvolvendo. Desde então que venho tentando chamar a atenção pra necessidade desse mestrado”, afirma.

Segundo a especialista, é preciso criar uma estratégia para conter os impactos negativos — como acúmulo de lixo, desmatamento e vandalização –, que o ecoturismo provoca em áreas protegidas mal administradas e ampliar os impactos positivos que a atividade proporciona, como o aumento da conscientização ambiental e do contato com a natureza. E essa estratégia só será possível com uma melhor formação do corpo técnico que cuida das áreas naturais e das áreas tradicionalmente habitadas.

“Quanto mais qualificados estiverem os técnicos, melhor será a gestão da área. Mais capacitados eles estarão para fazer bom uso dos poucos recursos que a gente tem”, afirma a Dra. Sinay.

Primeira turma

Apesar da aprovação do Mestrado pelo Capes em novembro, o edital para o processo seletivo da primeira turma ainda não foi publicado, devido ao recesso acadêmico no fim do ano.

O Mestrado Profissional em Ecoturismo e Conservação fará parte do Departamento de Ciências do Ambiente do Instituto de Biociências (IBIO/UNIRIO). A coordenação será da Dra. Sinay que contará, a princípio, com uma equipe com 17 professores que darão aula no curso. O curso é multidisciplinar.

O processo seletivo exigirá dos candidatos a apresentação de um pré-projeto e a realização de provas de proficiência em línguas estrangeiras, de conhecimentos específicos (provas escrita e oral) e uma prova de currículo. Poderão participar do processo seletivo candidatos que tenham concluído a graduação, em qualquer área.

 

 

Leia Também

Explorando o uso público em unidade de conservação

Conhecer para conservar: transformando usuários em aliados (parte 2)

ICMBio fecha visitação do Parque Nacional de São Joaquim

 

 

 

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Reportagens
28 de janeiro de 2015

ICMBio fecha visitação do Parque Nacional de São Joaquim

Criado em 1961,  há 53 anos, parque ainda não tem plano de manejo e usuários obtiveram acesso com base em interpretação da lei do SNUC.

Colunas
12 de março de 2014

Conhecer para conservar: transformando usuários em aliados (parte 2)

Parques nacionais, estaduais e municipais são categorias de áreas protegidas destinadas a reconectar seus visitantes com a natureza.

Reportagens
4 de julho de 2013

Explorando o uso público em unidade de conservação

Destaque no3º dia do Conatus 2013, a coordenadora do INEA explica o fortalecimento do uso público nas unidades de conservação no Rio.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. Gustavo Toledo diz:

    Parabéns Dra. Sinay pela iniciativa e empenho. Certamente este mestrado e o CPEC serão um divisor de águas para aprimoramento dos programas de uso público nas Unidades de Conservação no estado do RIO e Brasil. Espero poder participar deste espaço de alguma maneira. Abraço! Gustavo Toledo. Turismólogo, mestrando em Conservação da Biodiversidade pela Escola Superior do IPÊ. Coordenador de Uso Público – PE Serra da Concórdia (ITPA/INEA).


  2. Matheus diz:

    Quando completar a graduação, com certeza será uma de minhas alternativas! Linda iniciativa da Unirio.


  3. Sergio Alves diz:

    Gostaria de participar desse curso de mestrado. Moro num bairro localizado no entorno do Parque Estadual da Pedra Branca e participo de eventos realizados por entidades envolvidas com a preservação do parque.