Reportagens

Os últimos a saber

Na pequena Corupá (SC), cresce a oposição à hidrelétrica que quer as águas de sua cachoeira. Em sessão na Câmara dos Vereadores, moradores disseram-se traídos.

Fabrício Escandiuzzi ·
13 de março de 2005 · 19 anos atrás

Há dois sentimentos bastante aflorados entre os moradores de Corupá, 217 quilômetros ao norte de Florianópolis: o orgulho e a ira. A pequena cidade catarinense virou o centro de atenções da região devido à notícia divulgada pelo O Eco em dezembro de que um dos símbolos locais, a cachoeira da Bruaca, teria seu potencial reduzido para abastecer uma pequena central hidrelétrica (PCH).

A maior parte da população, inclusive o prefeito e a Câmara de Vereadores, não sabia do andamento do projeto, que foi liberado pela FATMA, órgão estadual de fiscalização ambiental, sem a devida anuência do Ibama. A questão está paralisada por enquanto, mas o susto fez a população se mobilizar para, pelo menos, saber de fato o que pode acontecer com um dos símbolos da cidade.

No sábado, 12 de março, na Câmara de Vereadores, ocorreu o primeiro debate público sobre o tema. Cerca de 70 pessoas estavam no pequeno plenário para ouvir e perguntar a ambientalistas o que poderia acontecer caso a PCH fosse construída. A presidente da Casa, vereadora Bernadete Hillbrecht é também uma das organizadoras do movimento SOS Cachoeira da Bruaca, diz que ninguém sabe ao certo o que está acontecendo. “Ficamos sabendo de tudo somente em dezembro e até agora não temos ciência do projeto e seus detalhes”, afirmou. “Hoje a população já está se manifestando contrária a essa questão”.

A intenção do movimento foi trazer profissionais que pudessem explicar o que poderia ocorrer à Bruaca caso a PCH seja construída, da maneira mais clara possível, evitando aquelas explicações maçantes comuns em audiências públicas, recheadas de números de possíveis empregos a serem gerados e dos milhões de quilowatts – e reais – que a bela Bruaca poderia fornecer. A população de Corupá parece não estar muito interessada nisso, pelo menos por enquanto. Os moradores se sentem o verdadeiro “marido traído”, últimos a saber.

Sobram reclamações à maneira como a Corupá Energia Ltda. e a FATMA agiram durante o processo. Ninguém se conforma com o fato de uma PCH quase ter sido construída na calada da noite, sem que a população fosse devidamente esclarecida sobre isso. “Só tomamos conhecimento disso agora, um absurdo”, lamenta Loriano Rogério Costa, vereador conhecido como Kutcher. Ele fala com muito orgulho – e incessantemente – sobre a beleza da cachoeira da Bruaca e as maravilhas da cidade. Sente-se traído e já tem posição definida. “Vamos criar uma área de preservação ali, vamos tombar aquela mata. Não vemos benefício algum na criação de uma usina na Bruaca”.

O movimento atraiu até moradores da cidade vizinha, Jaraguá do Sul. Jovens que trabalham com turismo ecológico foram participar da reunião e prometem fazer barulho para defender a área. “Sabemos da importância daquele espaço, não podemos deixar que nada aconteça. É uma região linda”, disse a guia turística Verônica Paciello.

O prefeito Conrado Urbano Muller está entre a cruz e a espada. Se por um lado a população lhe cobra um posicionamento, por outro as dificuldades financeiras do município gritam muito alto. Ele deu o que chamou de “posicionamento pessoal”. Defendeu a cachoeira, criticou o fato de o poder público local não ter sido informado ou explicado sobre o projeto. Mas diante da realidade de aperto financeiro, fez um desabafo que serve de alerta: “O turismo ecológico não traz recursos imediatos para Corupá como a geração de energia poderia trazer”, afirmou. Urbano destacou que ainda precisa conhecer o projeto. “Não posso falar sobre o que não conheço. Mas é necessário o crivo municipal para a construção dessa usina”.

O engenheiro agrônomo Nelson Luiz Wendel, do setor de Gerência de Projetos do Ministério de Meio Ambiente, disse durante a reunião que o município é quem tem a maior força para impedir a construção da PCH. “Basta não querer”.

Se a situação financeira de Corupá não é das melhores, o governo federal pode mostrar que tem sobras suficientes para jogar dinheiro cachoeira abaixo. O que chamou muito a atenção foram os apontamentos técnicos sobre a viabilidade da obra e sua vida útil. “Um dos pesadelos dos construtores de barragens é o assoreamento”, disse Nelson Wendel, explicando que a região da Bruaca mantém características que podem causar rápido assoreamento na barragem, comprometendo a PCH e, claro, o que restar de cachoeira. “Resumindo, esse empreendimento pode alterar todo o sistema e equilíbrio da região para uma vida útil de, no máximo, cinco anos”.

Nos próximos dias, a história vai render novos capítulos. Enquanto, por um lado, o movimento SOS Cachoeira da Bruaca colhe assinaturas dos eleitores locais para a elaboração de um projeto de iniciativa popular na Câmara impedindo a PCH, existe uma movimentação pró-hidrelétrica. Segundo os próprios moradores, o ex-prefeito municipal Luiz Carlos Taminani estaria liderando o contra-ataque e colhendo assinaturas a favor da usina. O responsável pela Corupá Energia Ltda., Ney Emílio Clivati, deve comparecer a uma nova sessão da Câmara de Vereadores esta semana, para explicar o projeto ao Legislativo. O movimento SOS Cachoeira da Bruaca promete estar presente em peso.

Enquanto isso, a reação dos moradores de Corupá faz crescer o ufanismo em relação ao seu maior cartão postal. “A cachoeira da Bruaca é lutadora, Ela vai ganhar”, garantem.

Fabrício Escandiuzzi é jornalista e bacharel em direito. Colabora com as revistas Época e Criativa.

Leia também

Colunas
17 de abril de 2024

Declaração de Barcelona define novos rumos para a Década do Oceano

O encerramento do evento oficializou a primeira conferência da Década do Oceano de Cidades Costeiras que ocorrerá em 2025 na cidade de Qingdao, na China.

Salada Verde
17 de abril de 2024

Marina Silva é uma das 100 pessoas mais influentes de 2024, segundo a Time

Selecionada na categoria “líderes”, perfil de Marina destaca a missão da ministra em prol do combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. Ela é a única brasileira citada na lista de 2024

Reportagens
17 de abril de 2024

Em audiência pública na ALMG, representantes da UFMG alertam para impactos da Stock Car

Reunião contou com reitora e diretores da universidade, mas prefeitura e organizadores da corrida faltaram; deputada promete enviar informações a patrocinadores da Stock Car

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.