Reportagens

Curso das obras no Rio Madeira

Mesmo com questionamentos sobre sua viabilidade ambiental, Usina Hidrelétrica de Santo Antônio começa a ser erguida no Rio Madeira (RO).

Redação ((o))eco ·
27 de novembro de 2008 · 16 anos atrás


Na última segunda (24), semanas após o presidente do Ibama, Roberto Messias Franco, ter admitido que concedeu a licença de instalação da Usina Hidrelética de Santo Antônio (RO) contrariando parecer técnico de sua própria equipe, que dizia não ao licenciamento, a reportagem de O Eco fez uma visita à Porto Velho e descobriu que, apesar do entrave, o processo segue em “total normalidade”.

Para os recém-chegados à cidade, é quase impossível conseguir um quarto de hotel. Estão tomados por funcionários da Odebrecht que vieram trabalhar nas obras de Santo Antônio. No local em que a usina será instalada, a dez quilômetros da cidade, o som das águas sobre as pedras foi trocado pelo ronco do motor de caminhões e tratores, que já começam a erguer a eclusa.

A passagem da água entre a margem direita do rio e a antiga Ilha do Presídio, com face voltada para a cidade, já foi interrompida e um pequeno lago se formou diante da parede de cimento e terra que dará origem à barragem. Com isso, a vazante do rio se dá toda pela margem esquerda, o que fez com que, mesmo em época de seca, o movimento de barcos fosse dificultado pela força das águas que rolam sobre as pedras.

No canto da margem direita do Madeira, maior afluente do Rio Amazonas, estão montadas barracas de apoio aos trabalhadores e, em alguns pontos, foram instalados banheiros químicos. Ao menos cinco tratores e vários caminhões trafegam na ponte de terra construída entre a margem e a Ilha do Presídio, carregando o material retirado de lá. Ao fundo, se vê a extensão da mata que será alagada pela barragem.

Para os trabalhos à esquerda da margem, a Odebrecht conta com a ajuda de uma balsa, usada exclusivamente no transporte de caminhões e outros veículos. Ali, a paisagem também já está tomada por escavadeiras, que golpeiam o solo exposto. Para a mata nativa, não há escapatória. Quase nada restou em pé e o que não sucumbir às máquinas, será afogado. Pelo projeto da empreiteira, a hidrelétrica terá reservatório de 271,3 quilômetros quadrados. Na prática, 61% dessa área estão na própria calha do rio Madeira. Os outros 39% ficam em terras que brevemente serão inundadas.

Veja mais:

Futuro incerto

O que duas usinas não fazem

Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.