Reportagens

Sonho amazônico

Principais ONGs ambientalistas lançam pacto para zerar derrubadas na Amazônia em 7 anos com metas e compensações. Mas governo não deixa claro até que ponto irá se comprometer.

Aldem Bourscheit ·
3 de outubro de 2007 · 14 anos atrás

É possível acabar com o desmatamento na Amazônia? Um grupo de organizações não-governamentais brasileiras e internacionais acha que sim. Elas lançaram nesta quarta-feira em Brasília uma proposta gerida e debatida desde o início deste ano de pacto envolvendo o governo federal e estados amazônicos para zerar a derrubada da maior floresta tropical do planeta até 2015.

O ambicioso plano prevê a redução gradativa do desmate a partir dos 14 mil quilômetros quadrados registrados entre 2005-2006. Se tudo correr como as ONGs esperam, uma área com mais de 68 mil quilômetros quadrados de matas poderá ser poupada nos próximos anos. Para transformar a meta em realidade, serão necessários pelo menos sete bilhões de reais, cerca de um bilhão de reais por ano para ampliar a fiscalização, compensar produtores por não derrubarem a floresta, estimular o uso de áreas desmatadas e a produção sustentável. Do total de recursos, espera-se que cinco bilhões de reais venham do Orçamento Geral da União. Só para efeito de comparação, o Plano Safra 2007-2008 conta com 70 bilhões de reais apenas para apoiar a agricultura empresarial e familiar.

O cenário econômico nacional permitiria o aporte de cinco bilhões na área de meio ambiente. Conforme o economista da Macrotempo, Luis Afonso Simoens da Silva, o país apresenta economia e arrecadação crescentes que, aliadas à redução da taxa de juros, levariam a uma “folga orçamentária”. Recursos também poderão vir de organismos internacionais e de doações do setor privado, dentro e fora do Brasil. “Esperamos que o maior investidor (no pacto) seja o governo federal. O acesso a recursos externos vem sendo dificultado, pois o Brasil já é visto como um país de renda média”, diz Silva. Ele ajudou a elaborar o estudo econômico para a proposta do pacto.

Os recursos governamentais e de outras fontes abasteceriam um fundo que pode ser criado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). As verbas seriam o principal incentivador ao freio para o desmatamento da Amazônia, bioma que já perdeu 17% de suas florestas. Os estados amazônicos também podem contribuir, segundo Silva, seja repassando uma fatia maior do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ao fundo ou apoiando a criação de uma Cide Ambiental, uma Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico-Ambiental. Essa taxa incidiria sobre atividades poluidoras em todo o país, revertendo recursos para os estados amazônicos compensarem o breque no desmatamento.

Ganha mais quem derruba menos

Um dos pontos chave da proposta apresentada hoje é uma compensação financeira por desmatamento evitado. Com base em metas desenhadas de acordo com o tamanho dos estados, remanescentes florestais e desmatamento histórico, serão definidos os repasses. Também estarão na balança o cadastramento de propriedades rurais, criação e efetivação de áreas protegidas, implantação de assentamentos que sigam à risca a legislação e programas que não promovam novos desmates. Mas para embolsar a compensação, os estados precisarão comprovar que machados e motosserras estão realmente parados. Aqueles que cumprirem as metas de redução de desmatamento antes do prazo serão presenteados com mais dinheiro.

Preocupados com o destino das compensações, estados amazônicos alertaram que o mecanismo para distribuição de recursos deve funcionar de forma descentralizada e olhar para quem realmente preservou florestas ao longo do tempo, e não só para onde as matas foram mais derrubadas. “Repassar verbas a fundos estaduais será importante para melhorar a gestão e a eficiência da aplicação dos recursos”, disse Virgílio Viana, secretário do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas.

Também preocupado com a compensação financeira, o governador Waldez Góes, do Amapá, acredita que o pacto trará visibilidade a uma série de ações desenvolvidas pelos estados, já voltadas à redução do desmate. Elas poderiam ser reproduzidas em outros estados e até fora do país. “O pacto não pode privilegiar quem mais desmatou. A equação deve beneficiar também quem preserva a natureza”, disse.

As alfinetadas tiveram endereço certo, o governador Blairo Maggi, do Mato Grosso, estado que vem encabeçando nos últimos anos as taxas de derrubada da Amazônia. Segundo ele, em seu estado a maioria das terras está nas mãos de particulares, enquanto que em outras regiões da Amazônia predominam terras devolutas (sem dono). “É mais fácil preservar e criar unidades de conservação em estados com mais terras devolutas. Mas não deve haver atrito entre os estados da região”, falou.

Conforme Maggi, os produtores mato-grossenses estariam prontos para o debate a partir do lançamento do pacto e para trabalhar pela redução do desmatamento, mas precisam ser recompensados por isso. E a lista de exigências e compensações aos produtores não é curta. Ele defendeu alterações no Código Florestal para auxiliar na redução do desmate em seu estado e alertou sobre o possível retorno do desmatamento, aliás, tendência já demonstrada nos últimos meses. “A conjuntura econômica e políticas federais levaram à redução do desmate nos últimos anos, isso é fato. Agora, se atividades econômicas voltarem a crescer, perde-se um dos fatores de redução. O leão do desmatamento está adormecido, mas pode acordar a qualquer momento e com muita fome. Esse é o momento para se fazer algo para que ele permaneça adormecido”, diz Maggi.

Papel do governo

Única representante do governo federal presente no lançamento realizado na Câmara dos Deputados, a ministra Marina Silva avaliou que, com o pacto, a sociedade brasileira está dizendo que o combate ao desmatamento deve ser uma ação nacional e não mais restrita ao governo federal. “Apoio a idéia de que se faça um pacto. Vamos avaliar a proposta no âmbito do Ministério do Meio Ambiente e da coordenação do Plano de Combate ao Desmatamento da Amazônia”, expressou, com cautela. Ela disse que o plano está sendo revisado pelo governo, e poderá incorporar medidas propostas pelo pacto. Segundo ambientalistas, a iniciativa tem o mérito de pela primeira vez falar em metas internas para redução de desmatamento. Isso poderá influenciar a formatação da segunda fase do Protocolo de Quioto, após 2012, quando se espera que o tratado incorpore a possibilidade de compensações por desmatamento evitado. Por enquanto, apenas mercados voluntários, como a Bolsa de Chicago, apresentam esta possibilidade.

“Há vontade e mecanismos para se frear o desmate. Se temos metas para energia e outras áreas, por que não para conter o desmatamento? A decisão está com cada um dos estados e com o governo federal”, diz Paulo Moutinho, coordenador de pesquisas do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipaam). Segundo o coordenador-internacional do Greenpeace na Amazônia, Paulo Adário, o pacto não é uma receita pronta, mas sim um chamado aos governos e à sociedade para que contribuam com idéias para levar ao fim do desmatamento. “Estamos (as ONGs) fazendo a nossa parte”, diz. As cartas estão lançadas.

*Aldem Bourscheit é jornalista em Brasília.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Reportagens
25 de outubro de 2021

Exploração ilegal de madeira aumenta no Mato Grosso e chega a 88,3 mil hectares em 2020

Ilegalidade atinge 38% da área total utilizada para extração de madeira no estado. Mais de 10 mil hectares explorados de forma ilegal foram em áreas protegidas

Análises
25 de outubro de 2021

Como frear crises hídricas, as atuais e as futuras?

Acompanhamos de perto, por aqui, uma expansão imobiliária desordenada, que, à luz do dia, destrói nascentes e despeja esgoto diretamente em cursos d’água

Reportagens
25 de outubro de 2021

Como os estados cuidam da Amazônia: comparamos dados de proteção, orçamento e desmatamento

Análise exclusiva do ((o))eco se debruça sobre dados ambientais dos nove estados da Amazônia Legal para compreender diferenças e semelhanças nas políticas públicas regionais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta