Reportagens

COP esvaziada

A dois dias do fim das negociações sobre clima, ONGs deixam protesto silencioso nos estandes em que apresentavam campanhas e programas, acusando organização dinamarquesa de anti-democrática.

Redação ((o))eco ·
17 de dezembro de 2009 · 15 anos atrás

 

"Sociedade civil foi removida das negociações. Como vocês podem decidir sobre nós sem nós?" (foto Andreia Fanzeres)
"Sociedade civil foi removida das negociações. Como vocês podem decidir sobre nós sem nós?" (foto Andreia Fanzeres)
 

Depois da pancadaria promovida pela polícia dinamarquesa do lado de fora do Bella Center ontem ao tentar conter protestos da sociedade civil indignada com tantas restrições de acesso à COP15, hoje os corredores estão mais vazios. Apenas 300 membros de ONGs, dos 22 mil registrados, foram autorizados a entrar “por razões de segurança” devido à presença de chefes de estado. A solução foi expressar a indignação deixando cartazes no espaço antes dedicado à participação das entidades. A organização da COP15 instalou novos detectores de metais dentro da sala de imprensa, que deveriam operar nesta quinta e sexta-feira. Felizmente eles ainda não estão funcionando, para alívio dos jornalistas que enfrentariam ainda mais filas para circular dentro do centro de convenções. Além de ter que mostrar a credencial dezenas de vezes, todas as pessoas já são obrigadas a passar por detectores para ingressar no Bella Center.

Leia também

Notícias
22 de julho de 2024

Paul Watson, fundador do Greenpeace e protetor de baleias, é preso na Groenlândia

Ambientalista foi detido por agentes da polícia federal da Dinamarca, em cumprimento a mandado de prisão do Japão; ele partia da Irlanda para confrontar navio baleeiro japonês

Salada Verde
22 de julho de 2024

Encontro de alto nível sobre ação climática reúne ministros e líderes de 30 nações

8ª Conferência Ministerial sobre Ação Climática (MoCA), realizada este ano na China, tem objetivo de destravar discussões que ficaram emperradas em Bonn

Notícias
22 de julho de 2024

Ministério Público investiga esquema de propina em órgão ambiental da Bahia

Servidores, ex-funcionários e outros investigados teriam recebido até R$ 16,5 milhões de fazendeiros para facilitar concessão de licenças ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.