Reportagens

Brasil leva prêmio Fóssil do Dia em Durban

ONGs ambientalistas afirmam que o governo brasileiro não merece confiança quando diz que o novo Código Florestal não causará mais emissões por conta do desmatamento.

Redação ((o))eco ·
2 de dezembro de 2011 · 13 anos atrás
A entrega do prêmio ocorre todos os dias da Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (foto: divulgação)
A entrega do prêmio ocorre todos os dias da Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (foto: divulgação)

As ONGs ambientalistas reunidas na 17a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 17), que ocorre deste segunda feira na cidade de Durban, África do Sul, deram hoje ao Brasil o prêmio simbôlico Fóssil do Dia.

Organizada pela Climate Action Network, que reúne 700 ONGs de todo o mundo, a honraria é distribuida durante os dias em que duram as negociações climáticas.

A razão para o Brasil ter recebido o prêmio é a recente tendência de membros do governo de Dilma Rousseff em tentar convencer os diplomatas internacionais de que a mudança no Código Florestal será um ótimo negócio para o país.

                        Leia a cobertura completa da COP 17

Tudo começou na terça, com coletiva de imprensa do chefe da delegação brasileira, embaixador André Corrêa do Lago, dizendo que não havia risco das mudanças na legislação causarem mais desmatamento. Leia as declarações aqui.

Mas o que decidiu mesmo o voto em favor do Brasil na hora de levar o Fóssil do Dia, foram as entrevistas do secretário de Mudanças Climáticas, Eduardo Assad, dadas nesta quinta, nas quais afirma que o país vai superar as metas de redução de gases de efeito estufa com o novo Código Florestal.

A lógica por trás da declaração de Assad é a de que a reforma na lei vai impulsionar a recuperação florestal no país. Mas não é isso o que pensa o Observatório do Clima e nem mesmo IPEA, órgão de pesquisa ligado ao governo. Ambos fizeram levantamentos mostrando que só a anistia de recuperação das áreas de preservação permanente anulam os esforços recentes do Brasil em reduzir as emissões por desmatamento.

Aqui o link para o estudo do Observatório do Clima

Aqui o link para o comunicado do IPEA

Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Os tubarões-martelo estão de volta ao arquipélago de Alcatrazes!

Pesquisa registra aumento do avistamento de tubarões-martelo no Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte de São Paulo

Análises
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.