Reportagens

Infraestrutura é chave para corte de emissões neste século, diz estudo

Relatório pede reorientação de políticas de bancos de investimentos de US$ 1 trilhão ao ano em energia limpa para atingir meta de 2ºC.

Claudio Angelo ·
9 de julho de 2015 · 7 anos atrás

Obras em Hong Kong. Foto: George Hammerstein /Corbis
Obras em Hong Kong. Foto: George Hammerstein /Corbis

Um relatório apresentado nesta terça-feira (7/7) por uma comissão internacional traz uma notícia má e uma boa para as aflições climáticas da humanidade. A má é que a conta da descarbonização necessária para evitar um aquecimento global de mais de 2oC neste século é salgada: somente em energia limpa será preciso aplicar US$ 1 trilhão por ano a partir de 2030. A boa é que fazer esses e outros investimentos nos deixará mais ricos.

O documento, chamado New Climate Economy Report, lista dez ações urgentes que governos e sociedade precisam adotar para fechar o buraco existente entre as políticas de redução de emissões em vigor hoje e o que é necessário fazer para ficar dentro do limite de aquecimento da Terra reconhecido como “seguro”. Entre essas medidas estão o desenvolvimento urbano limpo, a recuperação de 500 milhões de hectares de pastos e florestas degradadas, o fim do desmatamento e o estabelecimento de um preço efetivo para o carbono.

A maior parte dessas ações tem custos iniciais mais elevados, mas que mais do que se pagam ao longo do tempo devido a ganhos de eficiência e redução do custo de operação. Numa escala planetária, é como comprar uma lâmpada de LED em vez de uma incandescente: você paga mais no ato, mas economiza no longo prazo na conta de luz e não precisará mais substituir a lâmpada uma vez por ano.

A comissão responsável pelo relatório, liderada pelo ex-presidente mexicano Felipe Calderón e que tem entre seus membros o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), calculou o tamanho dessa economia em alguns casos. Somente os investimentos em eficiência energética poderiam turbinar o PIB mundial em R$ 50 trilhões (quase dez vezes o tamanho da economia brasileira) em 2035. O grupo lembra também que é possível que no ano passado a economia mundial tenha crescido pela primeira vez com uma queda nas emissões de gases-estufa.

Claro que não foi nada perto do que elas precisam cair. Para colocar a sociedade industrial no rumo dos 2oC, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estimou que, em 2030, a humanidade deveria emitir no máximo 42 bilhões de toneladas de CO2. Com as atuais políticas, chegaremos lá emitindo quase 70 bilhões.

O relatório reconhece que as metas colocadas na mesa até agora para a conferência do clima de Paris, as chamadas INDCs, não bastam para fechar esse hiato, e traz uma receita para reduzir a diferença.

“Essas recomendações poderiam entregar até 96% dos cortes de emissão necessários até 2030 para colocar o planeta no rumo de manter o aquecimento global abaixo de 2oC”, diz Rachel Biderman, do WRI (World Resources Institute), organização que coordenou a produção do relatório. “E essas ações também produziriam múltiplos benefícios para a economia.”

Infraestrutura inteligente

Uma das dez recomendações do relatório diz respeito a um debate central para o Brasil: a necessidade de investir em infraestrutura de baixo carbono.

Nos próximos 15 anos, estima-se que US$ 90 trilhões (R$ 270 trilhões – isso mesmo, trilhões) serão investidos em infraestrutura no mundo todo: estradas, portos, aeroportos e usinas de eletricidade, por exemplo.

A maior parte desse investimento está em países emergentes como Brasil, Índia, Indonésia e China e, cada vez mais, na África. Bancos de desenvolvimento nacionais, como o BNDES e o Banco de Desenvolvimento da China, ou até plurilaterais, como o da Ásia e o dos BRICS, vêm assumindo um papel predominante de financiamento desses projetos. A visita ao Brasil do premiê chinês, Li Keqiang, acompanhado de R$ 53 bilhões anunciados em investimentos (a maioria em infraestrutura) é um exemplo da importância crescente desse tipo de gasto público.

A comissão liderada por Calderón alerta, porém, para a necessidade de orientar esses investimentos para que eles levem o clima em consideração. “Muitas formas de infraestrutura contribuem significativamente para as emissões de gases-estufa, e também são particularmente vulneráveis à incidência de eventos climáticos extremos”, afirma o relatório.

O custo dessa reorientação é estimado em US$ 4 trilhões em 15 anos, algo considerável, mas mesmo assim uma fração do investimento total planejado. Além do mais, sugere o relatório, há no momento taxas de juros extremamente baixas em países desenvolvidos, que criam uma janela de oportunidade para o financiamento desses custos de transição.

Deixar de fazê-lo poderia travar o mundo em estrutura poluente e/ou vulnerável, já que uma usina termelétrica ou uma refinaria de petróleo, por exemplo, é um projeto com vida útil de décadas. “Seria extremamente míope construir infraestrutura que seja imediatamente vulnerável a impactos da mudança climática ou a políticas climáticas mais estritas no futuro”, afirma o relatório.

O recado do New Climate Economy Report tem um alvo certo: a reunião do G20 em novembro, quando será debatida a Iniciativa Global de Infraestrutura criada no ano passado pelo bloco. Segundo o relatório, a iniciativa do G20 “ignora em larga medida os elos entre investimentos em infraestrutura e a mudança climática”.

Um estudo feito sob encomenda do WRI por Oswaldo Lucon, do Instituto de Energia e Ambiente da USP, cujos resultados preliminares foram apresentados em maio numa reunião do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, dá um exemplo da dimensão desse casamento infeliz e de longo prazo com projetos poluentes em um setor, o de energia.

Lucon mostra, com base no Plano Decenal de Energia, que 78% dos investimentos em energia no país até 2023 já estão “travados” em combustíveis fósseis. Por causa disso, em seis de nove cenários de emissão analisados por ele o Brasil excede sua cota máxima de carbono antes do meio do século.

Por enquanto, o aporte maciço de investimentos chineses em infraestrutura no Brasil confirma essa tendência carbonizante em vez de revertê-la.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse em entrevista ao OC em junho que a infraestrutura de baixo carbono é uma discussão que precisa ser feita no Brasil. “Não é contabilizado na ambição brasileira, mas o Brasil, diferentemente de um país europeu, não tem sua infraestrutura toda implantada”.

 

*Este artigo foi publicado originalmente no site do Observatório do Clima, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo.

 

 

Leia também
Patagônia é uma das maiores vítimas do aquecimento
Izabella Teixeira: “Não queremos repetir meta de Copenhague”
Rejeitado pela Presidência, estudo sobre adaptação será entregue ao Meio Ambiente

 

 

 

  • Claudio Angelo

    Jornalista, coordenador de Comunicação do Observatório do Clima e autor de "A Espiral da Morte – como a humanidade alterou a ...

Leia também

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Notícias
26 de janeiro de 2022

Cientistas desmontam “falsas controvérsias” de guru ambiental de Bolsonaro

Doze dos principais cientistas ambientais do país acusam Miranda de usar credenciais da Embrapa para disseminar desinformação

Notícias
26 de janeiro de 2022

Pesquisadores reencontram anfíbio raro que não era visto desde 1970

A redescoberta da espécie, Phrynomedusa appendiculata, uma pequena perereca que ocorre apenas na Mata Atlântica, permitiu o levantamento de novos dados sobre o animal

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta