Reportagens

Procurando francas

Noventa e uma baleias francas foram registradas no primeiro vôo de monitoramento da espécie entre o Sul e o Sudeste. Nenhuma na costa do Rio de Janeiro.

Lorenzo Aldé ·
17 de setembro de 2004 · 20 anos atrás

Fotos: Projeto Baleia Franca / IWC – Brasil


As 91 baleias francas apareceram numa faixa de 400km entre o sul do Rio Grande do Sul e Garopaba, sul de Santa Catarina. Nos outros 2.100km de vôo, registrou-se a presença de apenas uma baleia na costa fluminense, da espécie bryde. A bióloga Karina Groch, que participou do vôo, acredita que a pequena incidência de baleias francas acima do litoral catarinense esta época do ano se deva à temperatura das águas.

De toda forma, não visualizar nenhuma baleia franca nos mares do Sudeste é um sinal de que o Projeto Baleia Franca precisa mesmo atuar na região. É o que afirma José Truda, fundador e coordenador do projeto. “A espécie está chegando mais longe, mas talvez em menor número do que imaginávamos”. O reforço educativo do Núcleo do Rio pode ser essencial para aumentar a população de francas no estado.

Desde 1987 (com alguns anos de interrupção) são realizados vôos mensais para observar os animais na região Sul durante a temporada de baleia francas no Brasil, que vai de julho a novembro. No estado do Rio de Janeiro, que ainda não tem muitos recursos garantidos, o monitoramento será, a princípio, anual.


A contar com o sucesso das ações de conscientização no Rio de Janeiro, o vôo de 2005 pela costa do estado começará a identificar as baleias francas que gostam de se aventurar mais para o norte e receber a famosa hospitalidade do carioca. Que só precisa de um pouco de informação para exercê-la até debaixo d’água: “O carioca não tem essa tradição de se relacionar com a fauna marinha. Precisou vir um projeto do sul para ensinar a ele que existe vida no mar”, diz Ricardo Gomes, coordenador do Projeto no Rio.

  • Lorenzo Aldé

    Jornalista, escritor, editor e educador, atua especialmente no terceiro setor, nas áreas de educação, comunicação, arte e cultura.

Leia também

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Notícias
17 de maio de 2024

Bugios seguem morrendo devido à falta de medidas de proteção da CEEE Equatorial

Local onde animais vivem sofre com as enchentes, mas isso não afeta os primatas, que vivem nos topos das árvores. Alagamento adiará implementação de medidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.